Cassilândia, Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

22/02/2007 13:57

Projeto restringe abertura de cursos de medicina

A Câmara analisa o Projeto de Lei 16/07, que permite a abertura de novos cursos de medicina somente em regiões onde haja comprovada carência de médicos ou de formação médica oferecida pelo setor público. O projeto, de autoria do deputado Dr. Pinotti (PFL-SP), estabelece que a falta de profissionais deverá ser comprovada pelo critério da Organização Mundial de Saúde (OMS), que recomenda um médico para cada grupo de mil habitantes.

Segundo o autor, a média no Brasil é de um profissional para 600 habitantes, mas há estados nas regiões Sudeste e Sul que já concentram um médico para 200 pessoas. Enquanto isso, no Norte e Nordeste há carência de profissionais. "É preciso mudar com urgência essa situação", diz Pinotti.

Segundo o projeto, a abertura de novos cursos dependerá do cumprimento de uma série de exigências. Entre elas está a caracterização da necessidade social do curso, traduzida na relação médico/habitante e na rede de saúde do município que vai abrigar o curso. Outros requisitos são: detalhamento dos recursos humanos (docentes e técnicos); especificação da infra-estrutura, inclusive com a identificação de laboratórios, ambulatórios, biblioteca e hospital-escola; e avaliação da proposta pedagógica e curricular do curso.

Reconhecimento
Nos casos de recredenciamento de curso já existente, a proposta de Pinotti estabelece que esse só será reconhecido se a avaliação, feita por uma comissão especializada, comprovar o acesso dos alunos a hospital de ensino que disponha de especialidades médicas indispensáveis para a formação profissional; corpo docente com, pelo menos, 1/3 de professores com mestrado ou doutorado, trabalhando em regime de tempo integral; produção acadêmica em revistas importantes do campo médico; e infra-estrutura formada por biblioteca, laboratórios e equipamentos de informática.

De acordo com o autor da proposta, as exigências têm como objetivo impedir a proliferação de cursos de medicina no País sem o adequado aparato técnico-acadêmico. Entre 1986 e 2006, o número de cursos subiu 86% - passou de 86 para 160. Segundo o deputado, o resultado é um enorme contingente de profissionais jogados todos os anos no mercado sem o preparo acadêmico necessário.

"A situação do ensino médico no Brasil pode ser qualificada como gravíssima e preocupante. A expansão veloz dos cursos, o número excessivo e a má distribuição dos médicos pelo País, além da infra-estrutura precária de dezenas de cursos médicos só poderiam resultar no absurdo estado que hoje testemunhamos", afirma Pinotti. Para ele, não é exagero afirmar que a má formação dada aos médicos coloca em risco a saúde da população. Ele critica ainda a falta de monitoramento dos cursos existentes, que deveria ser feita pelo Estado.

Ensino de qualidade
O projeto, segundo o deputado, pode ajudar a melhorar a qualidade do ensino médico. O texto se baseia em sugestões da Associação Médica Brasileira (AMB) e do Conselho Federal de Medicina. "Ao impedir a proliferação desenfreada de cursos sem os requisitos mínimos de qualidade técnica e acadêmica, estamos colaborando para ofertar à sociedade um ensino de qualidade, com repercussões positivas na medicina brasileira, no atendimento da população carente e na promoção das políticas públicas de saúde", diz o parlamentar.

A supervisão dos cursos de medicina no País é uma reivindicação antiga do Conselho Federal de Medicina. No ano passado, a entidade encaminhou aos candidatos a presidente da República uma carta em que fez uma série de recomendações para melhorar o atendimento à saúde no Brasil. Entre elas estavam mudanças na política de criação de novos cursos, inclusive com a sugestão de uma moratória na abertura de novas vagas, e a implantação de uma sistema de avaliação permanente de cursos médicos em funcionamento.

Tramitação
O PL 16/07 tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 21 de Novembro de 2017
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)