Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/03/2014 11:10

Projeto de “cartorião” abre polêmica entre TJ e sindicato de servidores

Aline dos Santos, Campo Grande News

Com a proposta de criar um “cartorião”, o projeto 007/2014 coloca em rota de colisão o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e o Sindijus (Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário).

A proposta do Poder Judiciário, que tramita desde 11 de fevereiro na Assembleia Legislativa, é instituir a CPE (Central de Processamento Eletrônico de Feitos Judiciais). O projeto ainda cria a Secretaria Judiciária de Primeiro Grau. Antes de seguir para o Legislativo Estadual, a proposta foi aprovada pelo Tribunal Pleno.

Entre os servidores, a CPE foi apelidada de “cartorião”. Segundo o presidente do Sindijus, Clodoir Fernandes Vargas, a centralização deve diminuir o fluxo de processo em algumas comarcas, resultando em desativação.

"Preocupa um projeto dessa magnitude”, afirma. A direção do sindicato procurou os deputados estaduais e pede a realização de uma audiência pública para consulta à sociedade, OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e Ministério Público. Segundo ele, com a desativação de comarca, os servidores terão que ser removidos.

Após reunião nesta semana com o presidente do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), Joenildo de Sousa Chaves, a tramitação do projeto foi suspensa. "Vamos marcar uma reunião, provavelmente no dia 29, para explicar o projeto aos servidores", diz o presidente do Sindijus.

Conforme o projeto encaminhado à Assembleia, “a proposta tem como objetivo otimizar a utilização de mão de obra, concentrando em um único local dividido por coordenadorias especializadas, a realização de tarefas de todos os cartórios judiciais do Estado, com exceção daquelas que exijam atendimento pessoal”.

A CPE foi testada em um projeto piloto e é anunciada como uma das marcas da administração 2013/2014. No teste inicial, a proposta, idealizada pelo juiz auxiliar da presidência, Vitor Luis de Oliveira Guibo, foi implantado com 15 servidores. Eles trabalharam, especificamente, com cálculo de pena, controle de prazo e expedição.

Conforme a assessoria de imprensa do tribunal, a centralização do processamento permite a padronização do procedimento de trabalho, a uniformização de modelos, foco na execução de processos, especialização na execução dos trabalhos, segurança para o servidor, redução de custos para a administração e, principalmente, mais produtividade do servidor.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)