Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

22/07/2004 08:08

Professores querem discutir código de ética

Marina Domingos/ABr

A discussão de um código de ética para os professores é um dos debates que promete aquecer as discussões do 4º Congresso Mundial da Internacional da Educação, que começa hoje em Porto Alegre (RS). Apesar de não serem profissionais liberais, os professores pretendem lançar as bases de um documento que deverá servir de orientação aos profissionais de todo mundo. “É um código que vai mostrar como deverá ser o profissional ideal na área de educação”, revela a presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Juçara Vieira.

A entidade brasileira é anfitriã do evento e a expectativa é de que os participantes saiam com resoluções que envolvem o papel dos professores na sociedade, as soluções para o financiamento da educação nos países pobres e em desenvolvimento, e a adesão dos educadores a campanhas mundiais como a de combate ao trabalho infantil.

“Achamos que a educação tem uma função de assegurar a cidadania, mas também pode e deve definir um projeto de desenvolvimento harmônico com inclusão social”, ressalta Juçara Vieira. A Internacional da Educação reúne atualmente 29 milhões de professores.

Segundo a presidente da CNTE, a intenção de formular diretrizes para um código de ética dos professores será um desafio. Pesquisa recente da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) revelou que quase 60% dos professores ouvidos declararam ser inadmissível que uma pessoa tenha experiências homossexuais e 21% disseram não desejar ter homossexuais como vizinhos. “Professores devem ter uma postura mais democrática. Não se pode discriminar alguém em função da sua opção sexual”, destaca.

A paixão dos alunos pelas professoras também está com seus dias contados. De acordo com Juçara Vieira, o código poderá arbitrar situações polêmicas como o caso de uma professora americana que se envolveu com o aluno de 13 anos e chegou a ficar grávida do menor. “Seria uma forma de o professor ter uma posição de respeito de não criar constrangimentos em relação ao aluno dentro da sala de aula”, explica.

A educadora ressalta ainda que o código de ética servirá como instrumento de proteção e não de punição. Mas admite que entre as propostas está a de que os professores infratores percam pontos para as classificações nos planos de carreira, diminuindo chances de promoção e melhores salários: “Não tem caráter punitivo, mas podemos incorporar a possibilidade de controle das carreiras.”

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)