Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/03/2009 16:58

Produtores de Rondonópolis querem apoio do governo

Danilo Macedo, ABr

Rondonópolis (MT) - Colheita de soja em fazenda localizada no município mato-grossense, um dos principais pólos produtivos do país. Na década de 90, a cidade chegou a ser denomidada capital nacional do agronegócio
Rondonópolis (MT) - O clima é de incerteza nas lavouras de soja e algodão de Rondonópolis. Essa situação nada tem a ver com prognósticos sobre eventuais estiagens prolongadas ou chuvas acima da média nesse município do sudeste de Mato Grosso, a 215 quilômetros de Cuiabá.

As dúvidas dos produtores agrícolas foram semeadas pela crise financeira que contaminou o mundo tal qual as pragas que castigam as plantações. Diante do cenário adverso, os agricultores esperam contar com o apoio do governo para superar o maior problema enfrentado por eles no momento: a escassez de crédito.

Um dos eldorados da agricultura brasileira, Rondonópolis viu a crise secar sua principal fonte de financiamento de custeio do plantio: as tradings. Essas multinacionais compravam a produção antecipadamente via empréstimos ou fornecimento de insumos. Até a última safra, elas respondiam por 70% das concessões de crédito agrícola no município. A partir do segundo semestre do ano passado, com o abalo sofrido pelo mercado financeiro mundial, cujo epicentro foi o setor imobiliário dos Estados Unidos, as tradings reduziram significativamente suas operações na cidade.

Com a nova conjuntura econômica, os produtores rurais do município esperam que o governo federal assuma o papel desempenhado pelas tradings nas últimas safras. Só assim, argumentam, Rondonópolis poderá manter os mesmo índices de produção e produtividade que a fizeram receber o título de capital nacional do agronegócio nos anos 90, quando o setor ganhou musculatura no país, passou a crescer a taxas expressivas. Para tanto, reivindicam aumentam nos limites das linhas de crédito oferecidas pelo governo por meio do Plano Agrícola e Pecuário.

Para o diretor da Associação dos Produtores de Soja do Estado de Mato Grosso (Aprosoja) e ex-presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Rondonópolis, Ricardo Tomczyk, “a participação do governo é extremamente importante na substituição desse crédito”. O diferencial das tradings, assinalou, eram os grandes financiadores e a alta eficiência na hora de receber a produção, porque têm armazéns próprios. Isso, acrescentou, praticamente zerava a inadimplência, problema sistêmico na região em decorrência das quebras de safra a partir de 2004.

Depois da tentativa frustrada de algumas associações rurais, no fim do ano passado, de pressionar o governo para que liberasse recursos para as tradings continuassem financiando a agricultura em Rondonópolis, Tomczyk avalia que o ideal agora é o oferecimento de crédito direto aos produtores. No entanto, assinalou, é necessário que o governo faça algumas mudanças no crédito oficial para que o dinheiro possa chegar também aos grandes agricultores, donos de mais da metade das terras da região e responsáveis por boa parte da produção.

“O ideal é adequar os limites e a análise de risco do produtor diante desse cenário de crise e da importância de manter a produção para a balança comercial do país”, disse Tomczyk. De acordo com ele, o governo precisa liberar recursos diretamente ao produtor, em quantidade suficiente e na hora do plantio, para suprir a saída das tradings do mercado agrícola. Com isso, os agricultores de Rondonópolis terão condições de comprar os insumos para as lavouras com o menor custo possível.

Na última safra, lembrou o diretor da Abrapa, o crédito liberado pelos bancos públicos representou apenas 10% do total de financiamento agrícola contraído no sistema financeiro. A média nacional, de acordo com levantamentos do governo e de entidades do setor, é de cerca de 35%. Sem a mudança nas regras de limites e avaliação de risco, reforçam os produtores de Rondonópolis, pouco adianta o aumento dos recursos para financiar a safra 2009/2010. “O ideal seria uma adaptação rápida do sistema de concessão de crédito oficial em qualidade e quantidade”, enfatizou Tomczyk.

Até o momento, os bancos públicos não se adaptaram à rapidez das tomadas de decisão na agricultura, principalmente em momentos de crise. Alguns recursos liberados no ano passado pelo Banco Central, por exemplo, ainda não chegaram aos produtores. Recentemente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, discutiram a lentidão dos bancos na liberação do crédito rural. Stephanes antecipou também que os recursos para o financiamento da próxima safra podem subir de R$ 78 bilhões para até R$ 100 bilhões.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)