Cassilândia, Quinta-feira, 30 de Março de 2017

Últimas Notícias

28/03/2005 10:58

Produção e seleção da mandioca é tema de campanha

APn

A produtividade média da cultura da mandioca no Brasil em 2003 foi de 13,4 toneladas por hectare, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em Mato Grosso do Sul, a produção média por hectare chegou a 21 toneladas. Mesmo com produtividade 57% superior à média nacional, a cultura no Estado ainda apresenta um grande potencial para o incremento. Para tanto, visando estimular os produtores, o governo do Estado, por meio da Câmara Setorial da Mandioca, vai lançar no próximo mês a campanha “Maniva selecionada. Produção aumentada”.

A ação vai ser realizada através de uma série de seminários nas principais regiões produtoras do Estado. Ao total serão 12 seminários envolvendo 15 municípios. O lançamento vai acontecer em Glória de Dourados no próximo dia 11. O assunto em questão é exatamente o aumento da produtividade e da rentabilidade da cultura. Hoje, Mato Grosso do Sul é o segundo colocado no ranking nacional de produção de fécula de mandioca. A estimativa é que a área plantada na próxima safra chegue a 40 mil hectares com produção de aproximadamente 720 mil toneladas.

Mas segundo o coordenador da Câmara Setorial vinculado a Secretaria de Produção e Turismo (Seprotur), Carlos Gonçalves, “é exatamente nesse incremento que está à preocupação”. Para o coordenador da Câmara a oscilação de preços da raiz da mandioca – evento cíclico que se repete a cada três anos, em média – acaba comprometendo a qualidade, a produtividade e também o preço pago pela raiz.

Um dos objetivos dessa campanha, como enfoca Gonçalves, é de justamente preparar o agricultor para evitar “futuras crises”. Segundo ele em 2002 os preços amargaram na casa de R$ 40,00 a tonelada da raiz. A situação foi tão crítica que acabou desanimando os produtores que reduziram a área plantada. Em contrapartida, em 2003 e 2004, os produtores foram altamente remunerados chegando receber R$ 300,00 pela tonelada. Porém este ano a cotação começou com uma tendência de queda, os preços chegaram a R$ 130,00 a tonelada. “É como diz o ditado: o aumento da oferta diminui o preço pago pelo produto”, enfocou Gonçalves.

Para reverter esse quadro Carlos Gonçalves aposta na estratégia de sensibilizar os mandiocultores a utilizar os fatores de produção que nem sempre acarretam aumento do custo. “Dos fatores de produção relacionados, o uso de ramas selecionadas para o plantio, é um dos mais importantes para o aumento da produção. Mais o produtor também não pode se esquecer de outros detalhes como a época do plantio e espaçamento adequado”, garantiu.

Orientação A campanha para o aumento da produtividade e da rentabilidade da cultura da mandioca vai ser uma oportunidade para os produtores esclarecerem suas dúvidas, discutirem seus problemas, buscarem soluções e orientações tais como produzir e escolher ramas de qualidade, armazenamento, viabilidade da rama e preparo das manivas para o plantio. Portanto, essa é uma oportunidade ímpar para reverter todo e qualquer problema que venha a afetar a classe.

Carlos Gonçalves até antecipou algumas dicas que serão abordadas nos seminários. Devido às doenças e pragas que ocorreram em muitas lavouras em 2004, o produtor será orientado a evitar, ao máximo, a aquisição de ramas de terceiros. Ele também deverá realizar visitas constantes a lavoura para avaliar a qualidade das ramas, reservando os melhores lotes para serem replantadas.

"Essas mesmas ramas, quando não forem utilizadas para plantio imediato, deverão ser armazenas em local fresco e sombreado. Para testar a viabilidade, o mandiocultor pode fazer um pequeno corte na planta, se o leite sair abundantemente a rama servirá para o plantio”, frisou.

Parceria - Todo esse trabalho está sendo realizado numa ampla parceria liderada pelo governo do Estado. Segundo o secretário de Produção e Turismo, Dagoberto Nogueira Filho, essa ação é uma soma de esforços composto por importantes parceiros de forma integrada. “O relacionamento de parceria com diversos órgãos proporciona um trabalho de maior qualidade e abrangência. O resultado é certo. Quem colhe o lucro é o próprio produtor”, acrescentou Nogueira.

Participam da campanha, ente outros, a Câmara Setorial, Seprotur, Sebrae, Embrapa, Banco do Brasil, Fórum da Terra, Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), Secretaria Estadual de Receita e Controle (SERC), Instituto Estadual de Desenvolvimento Agrário, Pesquisa, Extensão e Assistência Técnica (Idaterra), Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), Delegacia Federal da Agricultura (DFA/MS), Universidade Federal de MS (UFMS).

Também estão alinhados na campanha, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Universidade Para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp), Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Organização das Cooperativas do Brasil (OCB/MS), Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems), Cooperativa Agrícola de Campo Grande (Coop-Grande), Associação de Moradores e Produtores Agropecuaristas da gleba Ouro Verde (Ampagov) e indústrias do setor.

Evento A classe produtora, pesquisadores, técnicos, empresários, agentes financeiros, estudantes e toda sociedade interessada, serão beneficiados com mais uma promoção do governo do Estado. “Ciência e Tecnologia na Sustentabilidade do Setor”, esse é o tema do 11° Congresso Brasileiro de Mandioca que vai acontecer no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, em Campo Grande, de 25 a 28 de outubro próximo.

Foi considerando a importância da cadeia produtiva para a agricultura familiar, assentamentos e comunidades indígenas de Mato Grosso do Sul e, principalmente, a posição de destaque que o Estado ocupa no cenário nacional – Mato Grosso do Sul é o segundo maior produtor de fécula de mandioca do Brasil – que o governo, por meio da Secretaria de Estado de Planejamento e de Ciência e Tecnologia (Seplanct), Seprotur, SDA e Idaterra, assumiu o desafio de realizar na Capital este evento que já faz parte do calendário nacional.

Com uma programação bastante ampla, durante os quatro dias do evento serão realizados diversos painéis científicos e mesas redondas. As inscrições já estão abertas para os interessados através do site www.suct.ms.gov.br. Mais informações pelos telefones 318-4053 ou 318-5023.



Cristiane Sandim - Seprotur



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 30 de Março de 2017
Quarta, 29 de Março de 2017
20:34
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)