Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

13/10/2011 15:44

Procurador deverá explicar compra de terreno doado

Campo Grande News/ Aline dos Santos

A Câmara Municipal de Maracaju aprovou hoje a convocação do procurador do município para explicar a compra de um terreno doado pela prefeitura. Em agosto deste ano, o poder público doou uma área de mil metros quadrados para Valdemar Barbosa Dasmacena. Trinta dias depois, o terreno foi vendido, por R$ 80 mil, para o procurador Erimar Hildebrando, casado com a sobrinha de Valdemar.

De acordo com o vereador Valdenir Portela Cardoso (PSDB), autor da denúncia, a Câmara aprovou projetos em dezembro de 2010 e começo deste ano autorizando doação de mais de 300 áreas, que seriam destinadas a loteamentos sociais, construção de igrejas e incentivo para habitação.

Até agosto, a lei estabelecia que o imóvel doado não poderia ser vendido no prazo de três anos. Contudo, o prazo foi revogado depois em projeto enviado pelo Executivo aos vereadores, que aprovaram a mudança sem saber.

“Veio embutido em outros projetos. Foi uma omissão nossa, começando por mim, foi falta de conhecimento jurídico”, admite o vereador, que soube da alteração após receber denúncia anônima, com cópia dos registros de doação e venda.

A convocação foi aprovada pelos nove parlamentares – incluindo os seis vereadores da base aliada ao prefeito Celso Vargas (PDT). Para Valdenir, que é da oposição, a denúncia pode deflagrar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) contra o prefeito.

Já o procurador Erimar Hildebrando afirma que não houve irregularidade na compra do terreno. “Está tudo legal. O terreno poderia ser vendido para qualquer pessoa, porque a Câmara aprovou projeto de lei retirando o prazo de várias áreas doadas”, salienta.

Segundo ele, o fim do prazo mínimo de três anos foi para evitar os contratos de gaveta. “A pessoa fica doente, descobre um câncer, vende com contrato de gaveta e é difícil para regularizar”, afirma.

Erimar diz que vai atender à convocação da Câmara e estranhou a denúncia. “Seguramente isso é uso político, porque o vereador é franco opositor do prefeito e quer concorrer à prefeitura no ano que vem”, diz. Ele afirma ter vendido dois terrenos para pagar a nova aquisição.

Sobre a pegadinha jurídica citada pelo vereador, o procurador afirma que os projetos passam por diversas comissões da Câmara, que pode solicitar esclarecimentos a qualquer momento à prefeitura.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)