Cassilândia, Segunda-feira, 26 de Junho de 2017

Últimas Notícias

13/10/2011 15:44

Procurador deverá explicar compra de terreno doado

Campo Grande News/ Aline dos Santos

A Câmara Municipal de Maracaju aprovou hoje a convocação do procurador do município para explicar a compra de um terreno doado pela prefeitura. Em agosto deste ano, o poder público doou uma área de mil metros quadrados para Valdemar Barbosa Dasmacena. Trinta dias depois, o terreno foi vendido, por R$ 80 mil, para o procurador Erimar Hildebrando, casado com a sobrinha de Valdemar.

De acordo com o vereador Valdenir Portela Cardoso (PSDB), autor da denúncia, a Câmara aprovou projetos em dezembro de 2010 e começo deste ano autorizando doação de mais de 300 áreas, que seriam destinadas a loteamentos sociais, construção de igrejas e incentivo para habitação.

Até agosto, a lei estabelecia que o imóvel doado não poderia ser vendido no prazo de três anos. Contudo, o prazo foi revogado depois em projeto enviado pelo Executivo aos vereadores, que aprovaram a mudança sem saber.

“Veio embutido em outros projetos. Foi uma omissão nossa, começando por mim, foi falta de conhecimento jurídico”, admite o vereador, que soube da alteração após receber denúncia anônima, com cópia dos registros de doação e venda.

A convocação foi aprovada pelos nove parlamentares – incluindo os seis vereadores da base aliada ao prefeito Celso Vargas (PDT). Para Valdenir, que é da oposição, a denúncia pode deflagrar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) contra o prefeito.

Já o procurador Erimar Hildebrando afirma que não houve irregularidade na compra do terreno. “Está tudo legal. O terreno poderia ser vendido para qualquer pessoa, porque a Câmara aprovou projeto de lei retirando o prazo de várias áreas doadas”, salienta.

Segundo ele, o fim do prazo mínimo de três anos foi para evitar os contratos de gaveta. “A pessoa fica doente, descobre um câncer, vende com contrato de gaveta e é difícil para regularizar”, afirma.

Erimar diz que vai atender à convocação da Câmara e estranhou a denúncia. “Seguramente isso é uso político, porque o vereador é franco opositor do prefeito e quer concorrer à prefeitura no ano que vem”, diz. Ele afirma ter vendido dois terrenos para pagar a nova aquisição.

Sobre a pegadinha jurídica citada pelo vereador, o procurador afirma que os projetos passam por diversas comissões da Câmara, que pode solicitar esclarecimentos a qualquer momento à prefeitura.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 26 de Junho de 2017
Domingo, 25 de Junho de 2017
15:50
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)