Cassilândia, Sábado, 25 de Maio de 2019

Últimas Notícias

14/01/2019 06:40

Primeiro mês do ano é dedicado à prevenção e combate da Hanseníase

Correio do Estado

 

O primeiro mês do ano é dedicado à prevenção, combate e conscientização da Hanseníase, uma doença infectocontagiosa que carrega consigo um preconceito histórico, desde os tempos bíblicos quando era conhecida como lepra e os pacientes eram isolados até a morte.

No entanto, o presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia de Mato Grosso do Sul (SBD/MS), Alexandre Moretti, explica que este preconceito é desnecessário, pois a transmissão depende do convívio íntimo e continuo com um paciente multibacilar, ou seja, que esteja em formas avançadas da doença, e que este esteja sem tratamento, além disso, a pessoa que recebe o bacilo precisa ter pré-disposição genética para desenvolver a doença.

"Interrompemos a transmissão do bacilo (Mycobacterium leprae) após 15 dias do ínicio do tratamento. Precisamos conscientizar a população de que buscar auxilio médico aos primeiros sintomas é sempre a melhor opção, pois evitamos que a doença se propague e proporcionamos uma cura sem que haja sequelas".

Os principais sintomas da hanseniase são: surgimento de manchas despigmentadas (com pouca coloração) e que apresentam perda de sensibilidade: calor, frio, dor e tato, essas áreas podem apresentar sensação de formigamento, fisgadas e dormência. As lesões podem surgir em qualquer parte do corpo, porém é mais comum na face, nádegas, braços e pernas.

Conforme a evolução da doença as lesões tornam-se mais palpáveis e visíveis, pois se transformam em placas, nódulos, podendo ainda atingir nervos e causar dor e perda de força muscular, principalmente em membros inferiores, superiores e rosto. A falta do tratamento pode levar ainda a lesões irreversíveis, como: destruição óssea, lesões nervosas e úlceras.

O diagnóstico é feito por avaliação clínica, e se necessário seguido por exames dermato-neurológicos, biopsias com exames anatomopatológico e pesquisa do bacilo álcool ácido resistentes na linfa.

O tratamento recomendado pelo Ministério da Saúde é a poliquimioterapia, que tem duração em média de 6 meses a 1 ano, mas em casos mais avançados podem chegar a dois anos. Moretti explica também que interromper o tratamento pode ser bastante nocivo pois o bacilo torna-se resistente ao tratamento demandando um tratamento mais prolongado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 25 de Maio de 2019
Sexta, 24 de Maio de 2019
10:00
Receita do Dia
07:20
Atenção motoristas e ciclistas
Quinta, 23 de Maio de 2019
22:00
Loterias
21:45
Loterias
21:42
Loterias
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)