Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

06/07/2012 19:08

Presos originários da América do Sul lideram processos de expulsão

Alana Gandra, Agência Brasil

Rio de Janeiro – O maior número de processos de expulsão de presos estrangeiros afeta nacionais de países da América do Sul, conforme dados divulgados hoje (6), no Rio de Janeiro, pela diretora do Departamento de Estrangeiros do Ministério da Justiça, Izaura Miranda, durante o Seminário sobre Presos Estrangeiros, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Segundo dados de 2011, o Ministério da Justiça está promovendo 15.292 processos já protocolados de expulsão de presos estrangeiros no país. Além disso, de janeiro de 2008 a junho de 2012, foram instaurados pelo Ministério da Justiça 3.978 processos de expulsão de estrangeiros presos no país, dos quais 1.511 foram efetivamente expulsos.

Na lista dos estrangeiros com processos de expulsão em trâmite, os mais afetadas são originários da Bolívia (2.109), seguidos do Paraguai (1.660), Peru (1.538), Argentina (700), China (689), Nigéria (651), Uruguai (628) e África do Sul (525).

O Departamento de Estrangeiros, que integra a Secretaria Nacional de Justiça, do Ministério da Justiça, é responsável pelas expulsões, deportações, transferências de pessoas condenadas e repatriações. Falando à Agência Brasil, a diretora do departamento disse que a prioridade do ministério é defender os direitos dos presos. “Nós somos pelos direitos dos presos, independente de serem brasileiros ou estrangeiros. Têm os mesmos direitos”.

No caso do estrangeiro, esclareceu que o que mais acontece é estarem em situação irregular, porque o Brasil é rota do tráfico de drogas. “A maioria está presa por causa do tráfico internacional de drogas”.

O ministério pretende que o Judiciário, ao conceder a progressão de regime, também permita a expulsão do preso estrangeiro, explicou. “O fim último da pena é a ressocialização. Não tem como nós ressocializarmos o estrangeiro que está no país em situação irregular, que não tem família, não pode trabalhar, devido à situação irregular. Então, o Executivo precisa expulsá-lo para que seja reintegrado à sociedade do seu país de nacionalidade”.

Segundo a diretora, para os estrangeiros originários de países com os quais o Brasil têm acordos de transferência vigentes, é possível que ele vá cumprir a pena, “independente de ela ser privativa de liberdade”, em seu país de origem. O Brasil tem acordos desse tipo com 22 países. “É um número considerável”.

Ao contrário do que se poderia pensar, Izaura esclareceu que a burocracia para efetivar a expulsão de um preso estrangeiro não é tão grande. “A única barreira que nós encontramos é na tradução dos documentos”, informou. Recentemente, explicou, o ministério teve que traduzir documentos para o grego e foi obrigado a enviar o material para São Paulo, porque não havia tradutor em Brasília.

Izaura salientou também o elevado custo que isso representa para os cofres públicos. “Tem sentença condenatória de 500 folhas. Essa tradução fica em mais de R$ 100 mil. Essa é uma barreira que nós temos e o Ministério da Justiça tem gastado muito dinheiro com isso”.

A diretora considerou que esse é, no momento, o único entrave que faz com que o processo de expulsão de presos estrangeiros não seja tão rápido como o desejado. “Fora isso, não há entrave algum mais”. Alertou, entretanto, que para haver a transferência dos presos, há a necessidade de uma sentença transitada em julgado. “E a Justiça é um tanto quanto lenta”, declarou.

O sistema prisional brasileiro abriga um total de 3.191 presos estrangeiros, sendo 2.417 homens e 774 mulheres. Os estrangeiros são oriundos de 109 nacionalidades diferentes, sendo que 537 vieram da Bolívia. Da América Latina, como um todo, estão presos no Brasil 1.546 pessoas.

Edição: Davi Oliveira

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)