Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/11/2009 13:14

Presos homossexuais podem receber visitas íntimas no PA

Leandro Martins, Rádio Nacional da Amazônia

Brasília - Presos homossexuais do Pará podem receber visitas íntimas de seus parceiros a partir deste final de semana, de acordo com determinação judicial. A decisão da Justiça paraense é pioneira no Brasil e vale para todo o sistema carcerário do estado. A medida foi assinada na terça-feira (10) pelo titular da Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe), Justiniano Alves.

O pedido partiu da própria Susipe, que solicitou à Justiça que ampliasse para todos os detentos do estado a autorização dada a uma presa do Centro de Recuperação Feminino, de Marituba, na região metropolitana de Belém, a receber visitas íntimas de sua companheira. Em nota oficial, Alves justificou que a decisão garante um direito já estabelecido pela Constituição Federal.

Os presos que quiserem usufruir do direito à visita íntima de parceiro do mesmo sexo devem enviar o pedido à Susipe, que tomará medidas administrativas, como a apresentação da documentação necessária para retirada da carteira de visita do companheiro ou companheira. Os espaços onde ocorrerão as visitas íntimas homoafetivas serão os mesmos destinados aos presos heterossexuais.

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Pará, Mary Cohen, afirma que a decisão representa uma vitória na luta dos grupos homossexuais. Ela espera que os outros estados sigam o exemplo.

"Não basta garantir somente os direitos patrimoniais dos homossexuais. É importante também que os direitos sociais sejam conquistados, para o Brasil assim dar um exemplo para o mundo, um exemplo de cidadania, um exemplo de respeito à diversidade”, disse.

O coordenador de Proteção à Livre Orientação Sexual, órgão ligado à diretoria de Cidadania e Direito Humano da Secretaria de Direitos Humanos (Sejudh) do Pará, Ivon Cardoso, acredita que a decisão é importante para reduzir o sofrimento do detento homossexual, que já sofre segregação social por estar preso, e que não deve ser punido duplamente, impedido de exercer sua homoafetividade.

“É um avanço, sobretudo é equiparação de direitos. Se os heterossexuais já recebiam, o que impediria que os homossexuais também tivessem esse direito? É sobretudo um respeito à questão da orientação sexual e da identidade das pessoas que já estão aprisionadas.”

Edição: Juliana Andrade

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)