Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/01/2007 20:19

Presidente nega liminar a acusada de estelionato

STJ

O ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, presidente do Superior Tribunal de Justiça, negou liminar solicitada em habeas-corpus em favor de Leila Adriana de Oliveira, que responde a processo pela suposta prática de 21 estelionatos, entre outros delitos, em diversos estados do País. Com a decisão, Leila Oliveira permanece presa.

Leila Oliveira foi denunciada pela suposta prática dos crimes previstos nos artigos 288 (formação de quadrilha), 171 (estelionato), 155 (furto qualificado), parágrafo 4º, incisos II e IV, e 158, parágrafo 1º, com os artigos 69 e 29 – todos do Código Penal. A defesa da acusada entrou com habeas-corpus com pedido de liminar, no STJ, alegando que ela estaria sofrendo constrangimento ilegal em virtude do excesso de prazo da prisão.

Para o presidente do STJ, não se verifica, à primeira vista, “flagrante ilegalidade a justificar a concessão da liminar”. O ministro destacou trecho da decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ/MG) ao apreciar HC em defesa da acusada: “O processo-crime que deu origem ao presente mandamus (ação) é bastante complexo, envolvendo grande número de agentes e vítimas, sem contar eventual necessidade de serem inquiridas testemunhas ocasionalmente residentes também em outras comarcas, sendo que a questão, induvidosamente, demanda inúmeras diligências.”

De acordo com o TJ/MG, “a denúncia descreve a execução de 31 delitos, alguns deles atribuídos à paciente (Leila Oliveira), tais como 21 estelionatos, além de formação de quadrilha, crimes estes cometidos em várias cidades e em Estados diversos”, o que obriga o Poder Judiciário a expedir várias cartas para a obtenção dos depoimentos das vítimas residentes em diferentes locais, atividades que demandam tempo ao processo.

Ao negar o pedido de liminar, o ministro Barros Monteiro destacou a jurisprudência [entendimento firmado] do STJ no sentido de que “a complexidade da causa, a pluralidade de agentes, a necessidade de precatórias, a realização de diligências requeridas pela defesa são motivos suficientes que justificam o excesso de prazo”.

O ministro Barros Monteiro também requisitou informações sobre o processo e determinou seja dada vista ao Ministério Público Federal após a chegada das informações. Somente depois desses procedimentos, o pedido de habeas-corpus deverá ser analisado pelo relator a quem foi distribuído o processo para julgamento do mérito, o ministro Hamilton Carvalhido, da Sexta Turma do STJ.


Autor(a):Elaine Rocha

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)