Cassilândia, Domingo, 25 de Junho de 2017

Últimas Notícias

18/08/2004 08:43

Presas não usam preservativos e não sabem o que é DST

Agência Notisa

Idade média entre trinta anos, gravidez na adolescência, doenças sexualmente transmissíveis e, lamentavelmente, sem hábito de usar preservativo nas relações sexuais. Esse é o retrato da vida de mulheres encarceradas em penitenciárias no estado do Espírito Santo, segundo dados de uma pesquisa da universidade federal desse estado e da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, publicada na Revista de Saúde Pública (Vol.38, nº2).

O estudo, cujo objetivo era identificar o perfil sociodemográfico e as condições de saúde da população carcerária feminina do Espírito Santo, contou com a participação de 121 internas, que foram entrevistadas e submetidas a exames clínico-ginecológicos. A média de idade das participantes foi de 30,2 anos e a escolaridade média foi de 4,8 anos, sendo que mais da metade das encarceradas completou menos de quatro anos de estudo. Em relação à história penal, o envolvimento com o tráfico de drogas foi o delito mais observado, mas outros crimes, como homicídio e roubo, também foram freqüentes. As mulheres, segundo o texto, estavam convivendo no presídio desde há apenas um mês até em torno de 16 anos.

Todas as participantes já tinham atividade sexual anterior à prisão e também recebiam visita íntima no presídio. A idade média da primeira relação sexual foi de 15,2 anos, variando de nove a 27 anos. Das entrevistadas, 50,4% relataram ter tido alguma história de aborto, variando de um a oito abortos. Dentre as 107 que já haviam engravidado, a média de idade da primeira gestação foi de 17,3 anos.

Por outro lado, gravidez na adolescência foi um dado freqüentemente relatado: 31,8% engravidaram antes dos 15 anos e 60,7%, antes dos 17. A maioria das participantes, segundo o estudo, não usava nada para contracepção, apesar de receber seus parceiros sexuais para visitas íntimas semanais: “relataram nunca ou raramente ter usado preservativos, tanto como método contraceptivo quanto para prevenção de DST, 78,5% das mulheres”, dizem os pesquisadores no texto.

O estudo também destaca a ocorrência de doenças crônicas e infecciosas de diversos graus de severidade e de complexidade. Os usos regulares de álcool, maconha e cocaína foram relatados por cerca de 50% da população: ”não é raro encontrar, entre as recentemente encarceradas, a presença de tuberculose e hipertensão arterial não diagnosticadas e/ou não tratadas, bem como de infecção pelo HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis (DST) em iguais condições”, explicam os pesquisadores.

Já na investigação da história clínica relatada pelas participantes ficou evidente para a equipe científica que o acesso dessas mulheres à orientação e a cuidados gerais de saúde já era deficiente antes do encarceramento. “Aproximadamente 50% delas nunca tinham realizado exame ginecológico de rotina; as condições precárias de vida, a baixa escolaridade e a falta de informação adequada contribuem para essa situação. No momento da entrevista, 21,2% das mulheres não sabiam o que era uma DST e nem como identificá-la”, dizem.

Para os pesquisadores, os resultados encontrados mostram a necessidade da implementação de atividades educativas, preventivas e terapêuticas durante o encarceramento: “esse segmento da população, que estatisticamente tem mais problemas de saúde do que a população geral, tem menor acesso aos serviços de atenção à saúde. O encarceramento pode representar um momento oportuno para se considerar novas estratégias de abordagem dessa população e se implementar políticas de assistência à saúde mais adequadas”, explica o estudo.

Na opinião da pesquisa, é importante que educadores entendam a vida dessas mulheres e dos fatores sociais que contribuem para o encarceramento, bem como de quais recursos e ferramentas seriam necessários para promover mudanças de comportamento: “serviços de saúde adequados devem ser implementados para que o controle de doenças e o acesso aos cuidados de saúde da mulher entre a população carcerária feminina tenham êxito”, concluem os pesquisadores.

Agência Notisa (jornalismo científico - scientific journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 25 de Junho de 2017
Sábado, 24 de Junho de 2017
23:07
Loteria
Sexta, 23 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)