Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/02/2015 07:27

Preocupados em não engravidar, jovens vão só na pílula e camisinha vira raridade

Paula Maciulevicius, Campo Grande News
Este comportamento que a gente vê nas ruas contribuiu para o aumento de 11% dos casos de infecção pelo vírus HIV. (Foto: Marcos Ermínio)Este comportamento que a gente vê nas ruas contribuiu para o aumento de 11% dos casos de infecção pelo vírus HIV. (Foto: Marcos Ermínio)

 

Em pleno Carnaval, ao mesmo tempo em que os órgãos de saúde distribuem preservativos aos foliões, o chão passa a ser tomado por camisinhas ainda embaladas. A preocupação dos jovens tem sido apenas em não engravidar e como neste quesito o anticoncepcional cumpre o seu papel, a camisinha parece ter virado raridade. De início, ninguém quer admitir para a reportagem que já transou sem, como se a pílula fosse a proteção contra tudo e a única consequência do sexo fosse de uma gravidez indesejada. Como o tema ainda é tabu, boa parte dos entrevistados não quis se identificar.

Estudante, uma jovem de 24 anos, admite que já deixou passar algumas vezes e que foi apenas confiando na pílula. "Já aconteceu sim, às vezes eu até falo para colocar, às vezes não. Mas depois eu fico preocupada", conta. Só que no caso a primeira situação que vem à cabeça não é nem o quadro de doenças sexualmente transmissíveis, mas sim a possibilidade de ter engravidado.


E é só quando a gente da equipe sugere o risco da transmissão de doenças é que os personagens passam a avaliar isso também, mas ainda assim, em segundo plano. A estudante de 20 anos admite que não pegou nenhuma das camisinhas distribuídas durante o Carnaval, mas justifica que elas não teriam nenhum uso agora. Há muito tempo ela diz ter adotado o anticoncepcional, mas deixa claro que não há substiuição de um pelo outro, exceto em casos raros.

"Nã tenho namorado para dar essa relaxada, se tivesse, talvez rolaria a coisa da confiança", opina. Outro risco é o de acreditar que só por ter parceiro fixo se pode abrir mão do preservativo.

Manicure, Caroline Mello tem 27 anos e só depois dos dois filhos nascerem é que encarou a importância da camisinha. "A gente vacila, eu vacilei duas vezes e engravidei, mas não é só isso. Engravidar é uma benção e doença é o pior", opina.

Mãe de uma adolescente de 13 anos, Eliane Araújo de 35, diz que percebe o cenário de incidência de gravidez na adolescência e relaciona diretamente ao fato de que a meninada não tem usado o preservativo. "Acho que deixam de lado, porque tem mais facilidade com a pílula, que torna tudo mais prático", acredita a mãe. A filha adolescente ainda não menstruou, mas ela afirma que tem conversado e muito com a menina sobre o assunto.

Administrador, Augusto Vincki, de 22 anos, disse que no Carnaval não pegou, mas mostrou que carrega a sua consigo na carteira. "Faz sim, menina deixa só na píulula ou ainda toma a do dia seguinte para segurar a barra". Ele admite que namorando, fica mais "de boa", confiando ainda mais na pílula.

"Você acha que nada vai acontecer. O meu maior médo é engravidar, aí acaba com a sua vida", comenta.

E é este comportamento que a gente vê nas ruas e nas conversas que contribuíram para o aumento de novas infecções pelo vírus da AIDS. Um relatório publicado ano passado mostra que enquanto diminuiu 28% o número de novos casos em todo mundo, no Brasil este percentual aumentou e foi para 11%.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)