Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

06/05/2005 13:22

Preconceito:Deficientes físicos preparam campanha contra

Benedito Mendonça /ABr

O preconceito é uma das grandes barreiras que bloqueiam a inclusão social e profissional dos portadores de deficiência física no país. A afirmação é do presidente do Instituto Cultural e Profissionalizante de Pessoas Portadoras de Deficiência do Distrito Federal (ICP), Sueide Miranda Leite. Ele liderou hoje a Caminhada da Cidadania que reuniu na Esplanada dos Ministérios cerca de 100 portadores de deficiência física para reivindicar mais acessibilidade no transporte público, maior escolaridade, formação profissional e moradia.

De acordo com Leite, hoje no Brasil não se tem políticas públicas que promovam o verdadeiro processo de inclusão social dos cerca de 25 milhões de portadores de deficiência física. "Em Brasília, temos quatro leis que definem percentuais para deficientes na questão da distribuição de lotes e casas próprias. Só que nenhuma dessas leis é cumprida", denuncia. Para ele, não há uma política decente voltada para moradia no Distrito Federal.

Na avaliação de Leite, não existe crise de emprego para o portador de deficiência física no país e muito menos em Brasília. O que falta, na sua opinião, é a promoção da escolarização e da qualificação profissional de um contingente que, só na capital federal, envolve 270 mil deficientes.

"No ICP, onde 80% das pessoas não têm escolarização, são 4 mil associados e já inserimos cerca de 2.800 pessoas no mercado de trabalho", assinala Leite, lembrando que hoje existem 45 vagas disponíveis para o DF, "mas fica difícil encontrar um perfil porque as pessoas não têm o 1º grau completo". Ele reivindica uma ação do governo no sentido de promover de forma maciça a escolaridade dos deficientes com cursos supletivos e profissionalizantes.

Carlos Antonio Werneck, de 26 anos, conta que desde criança deixou de andar em decorrência de uma doença chamada espinha líquida e que hoje seu grande problema é o desemprego. "Que o pessoal que está no poder se conscientize de que a gente precisa de trabalho. Também somos gente e precisamos de oportunidades como um ser humano normal", reivindica. Mesmo dizendo nunca ter passado por situações de preconceito, Werneck acredita que deveria haver mais acessibilidade nos ônibus, shoppings e até mesmo na rua onde os meio-fios são muito altos para as cadeiras de rodas.

Já para Washington Pereira de Jesus, de 25 anos, paralítico desde os 21 em decorrência de uma bala perdida, o principal problema é o preconceito. "Às vezes, as pessoas viram o rosto quando vê a gente em uma cadeira de rodas". Convidado para trabalhar na montagem de cadeiras de rodas da fábrica do ICP, ele também reclama da dificuldade de locomoção, principalmente para pegar ônibus. "Sempre dependo de alguém para me colocar no coletivo e também para descer e nem sempre as pessoas ajudam".

Essa situação que envolve os deficientes físicos em Brasília é confirmada pelo presidente do ICP. De acordo com Sueide Leite, a questão envolve os motoristas de ônibus e vans que não respeitam os deficientes e nem os idosos. Segundo ele, o ICP prepara uma campanha "para que esses profissionais passem a tratar com o devido respeito esses cidadãos que têm direito a gratuidade no transporte coletivo".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)