Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

23/02/2006 14:23

Preço do boi cai 14%, mas da carne só 2%

Fernanda Mathias / Campo Grande News

Pesquisa da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) aponta uma relação bastante desigual entre a redução do preço pago pelo bovino ao produtor e o valor da carne no mercado atacadista. Enquanto de janeiro do ano passado para janeiro deste a queda no preço do boi foi de 14% considerando Campo Grande e Presidente Prudente (SP), em São Paulo, mercado que recebe 90% da produção de carne produzida em Mato Grosso do Sul. Já o preço do quilo do traseiro, onde estão os cortes mais nobres do boi, recuou apenas 2,7% no período.

De R$ 4,20 o quilo, o atacado passou a pagar R$ 4,09 pelo quilo do traseiro. O valor do dianteiro teve uma queda de preço maior, de 13%, passando de R$ 2,50 o quilo a R$ 2,17. O presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Laucídio Coelho Neto, observa que as quedas de preço verificadas pela Conab estão no atacado. “Para o consumidor a redução é quase imperceptível e demora um ano a chegar”, diz.

A Conab apurou que em janeiro de 2005 a arroba do boi gordo estava cotada em Campo Grande a R$ 53,80 e em Presidente Prudente a R$ 58,60. Caiu em janeiro deste ano a R$ 50,37 e R$ 45,95. Na manhã desta quinta-feira o deputado federal Waldemir Moka (PMDB), disse em entrevista ao programa “94 Notícias”, da FM Mega 94, que a Câmara já deu entrada com pedido da instalação da CPI (Comissão Parlamentar de Investigação da Carne), para apurar se há ganhos abusivos concentrados em alguns elos da cadeia produtiva.

Há denúncias de que frigoríficos estariam praticando cartel. Já as indústrias argumentam que é no varejo que está o lucro excessivo. “Nunca o produtor rural recebeu um preço tão baixo pela arroba do boi, hoje de R$ 43,00 a R$ 44,00, quando o preço já chegou a R$ 57,00 antes. Essa baixa nunca se reflete na ponta, ao consumidor”, disse.

Problema igual é identificado na cadeia do leite, onde o produtor de Mato Grosso do Sul tem recebido de R$ 0,14 a R$ 0,28 pelo litro do produto quando o consumidor não paga menos de R$ 1,10. A Seprotur (Secretaria de Estado de Produção e Turismo) identificou margens de lucro que vão de 30% a 200% depois que o leite sai da fazenda, entre a indústria e a prateleira do supermercado. O relatório com esta constatação será encaminhado ao MPE (Ministério Público Estadual).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)