Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

01/05/2015 09:48

Preço da energia pesa no bolso e prejudica produção avícola estadual

Campo Grande News
Energia oscila frequentemente e queima equipamentos usados na granja, segundo produtores (Foto: Divulgação/Famasul)Energia oscila frequentemente e queima equipamentos usados na granja, segundo produtores (Foto: Divulgação/Famasul)

Os impactos dos reajustes recentes na conta de energia preocupam todo o setor produtivo do Estado, que tem buscado apoio do governo para garantir a produção. Um dos segmentos mais prejudicados é a avicultura, onde 24,61% dos custos de produção, são gastos com energia. Está é a segunda maior despesa dos produtores, perdendo apenas para a mão de obra.

Há pouco mais de um mês a Avimasul (Associação dos Avicultores de Mato Grosso do Sul) se reuniu com secretários e solicitou ações para que o setor não tenha retrocesso em função do elevado custo para produzir. O setor teve a carga tributária estadual sobre a energia elétrica aumentada em 11,85%, em 2013, conforme a entidade. Os produtores agora pedem a revisão dos tributos sobre a energia e reclamam ainda do preço e da qualidade do serviço oferecido.

Os produtores citam o valor da tarifa do Paraná cobrado pelo kilowatt para comparar com o Estado. Levantamento feito pela Avimasul indica que a diferença é de 95% entre os preços praticados aqui e lá. A conta de um produtor daqui comparada com a de um avicultor do município de Toledo (PR) revela que eles pagam R$ 0,1780 pelo kilowatt, enquanto em MS é cobrado R$ 4,1959 pela mesma quantidade de energia.

A comparação foi um dos argumentos utilizados pelos produtores em reunião com a Sepaf (Secretaria de Estado de Produção e Agricultura Familiar), em março. Nesse aspecto, segundo o secretário-adjunto Jerônimo Alves Chaves, não se pode esperar igualdade entre a tarifa dos dois Estados. “No Paraná, a empresa de energia é sob comando acionário do setor público. Isso dá um diferencial. Quando o governo tem a própria estrutura é de uma forma, mas quando o serviço é privado, os mecanismos são diferentes”, explica Jerônimo.

Perdas - Os produtores reclamam ainda da qualidade do serviço de energia elétrica. Redes antigas estão sucateadas, segundo a associação. A energia oscila frequentemente e queima equipamentos, conforme as queixas dos produtores, que chegam também ao departamento de Economia da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul).

“Eles têm reclamado também da qualidade da energia. É mais uma despesa para eles, um segmento que tem uma receita tão estreita não pode ter essas perdas. Então a gente tem que olhar o problema do custo e da qualidade oferecida aqui no Estado”, comentou a gestora do departamento, Adriana Mascarenhas.

A especialista explica que não se espera queda de produção, mesmo em meio as dificuldades. “Acredito que é mais um comprometimento na receita do produtor. Acho que vai impactar mais na rentabilidade do avicultor do que no preço em si. O grande prejudicado vai ser verdadeiramente o produtor”, disse.

Apoio - O secretário-adjunto informou que, em breve, serão anunciadas medidas para apoiar o setor, com base em outras reivindicações dos avicultores. “O governo se debruçou em estudos em relação a inclusão do setor em programas de benefícios e nesta área avançamos, porque já havia estudos anteriores. Esperamos que o governador vá anunciar medidas de apoio ao setor não só em cima dos mais impactados, mas como forma também de contribuir para redução de custo de produção”, disse Jerônimo.

Quanto a questão específica dos custos com energia, o secretário-adjunto diz que o governo precisará de mais tempo para elaborar uma estratégia. “Não é o único setor que reivindica mudanças com relação a energia. O aumento impactou a todos e estamos fazendo uma avaliação um pouco mais ampla, porque alcança outros setores”, justificou.

A bovinocultura de leite e os sistemas de irrigação também estão entre os mais prejudicados com os reajustes da tarifa de energia, segundo Adriana. Para os pequenos produtores de leite, que têm tanques de resfriamento o aumento no custo de produção ficou em 18% com o aumento da energia, conforme a presidente da Cooperativa de Produtores de Leite de Terenos, Lucília de Almeida.

“O custo de produção do litro era R$ 0,50 e está subindo para R$ 0,68. É preciso usar o triturador para fazer ração, precisa da energia na ordenha, no resfriador. Então isso é muito grave”, comentou Lucília, ao destacar que o setor também espera um auxílio do governo para que não fique defasado. “Acredito que o Governo do Estado também tem interesse e vai comprar esse leite. P

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)