Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/05/2007 18:06

PPS, PSDB e DEM acionam o STF para reaver mandatos

Agência Câmara

As direções nacionais do PPS, PSDB e DEM ingressaram nesta sexta-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) com mandados de segurança para recuperar as vagas de deputados federais desta legislatura que deixaram as legendas para aderir a partidos da base governista depois das eleições do ano passado.

Os partidos entraram com mandados em separado. As ações na Justiça foram desencadeadas após a negativa da Presidência da Câmara dos Deputados em convocar os suplentes dos parlamentares que trocaram de sigla. As três legendas haviam argumentado em requerimento ao presidente Arlindo Chinaglia que a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que o mandato é dos partidos, e não dos eleitos, garantia a retomada das cadeiras perdidas pelas legendas oposicionistas.

Ação do PPS
O PPS ingressou com ação contra o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, por ele ter se negado a chamar para posse os suplentes de deputados que mudaram de legenda após a eleição. Sob o argumento de que "ninguém perde o que não tem", o partido contesta Chinaglia, que alegou não atender ao requerimento do presidente do PPS, Roberto Freire, porque a Mesa Diretora da Casa não poderia convocar suplentes para exercer mandatos que estavam sendo desempenhados por parlamentares eleitos.

A ação do PPS pede que o STF decrete, em caráter liminar, a vacância dos cargos ocupados pelos deputados Colbert Martins (BA), Lucenira Pimentel (AP), Raimundo Veloso da Silva (BA), Neilton Mulim (RJ), Homero Pereira Alves (MT), Ratinho Júnior (PR), Paulo Piau (MG) e Airton Roveda (PR). Esses parlamentares, diz o texto do mandado, "foram cooptados pela base do governo", e por isso o partido está prejudicado na sua representação numérica na Câmara.

Segundo o PPS, Chinaglia cometeu uma "ilegalidade" ao indeferir o requerimento, e o direito "líquido e certo" da legenda deve ser restaurado pela Justiça. Partindo do raciocínio de que o partido é imprescindível para a eleição de representantes no sistema proporcional, o texto do mandado afirma ser "inaceitável que um parlamentar abandone o partido pelo qual foi eleito e carregue consigo o patrimônio eleitoral da legenda".

Respaldo
Ao responder requerimento do PPS pedindo a retomada dos oito mandatos perdidos pela legenda com o troca-troca partidário, Chinaglia justificou que o pedido foi indeferido porque a hipótese de perda de mandato apontada pela legenda não encontra respaldo constitucional, nem regimental.

O presidente nacional do PPS, ex-senador Roberto Freire, não concorda com os argumentos da Câmara e diz que o PPS quer resgatar no Supremo um direito constitucional já reconhecido pela justiça eleitoral. "Quem perdeu foi o partido, com a cooptação de deputados pelas legendas da base. Então o parlamentar não pode alegar que perderá o mandato, já que este não lhe pertence", sustenta o dirigente.

Conforme entendimento do TSE, de 27 de março de 2007, os partidos políticos e as coligações "conservam o direito à vaga obtida pelo sistema eleitoral proporcional, em pedido de cancelamento de filiação e conseqüente transferência do candidato eleito por um partido para outra agremiação".

A reportagem tentou contato com o PSDB e o DEM para ter acesso ao conteúdo dos mandados impetrados pelos dois partidos, mas não obteve informações.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)