Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/08/2005 16:59

Postos de combustíveis ainda esperam redução de ICMS

Aline dos Santos / Campo Grande News

A medida do governo que preve que caminhões com tanque suplementar terão que pagar o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Serviços e Mercadorias) à vista foi considerada benéfica pelo Sinpetro/MS (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Automotivos, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de Mato Grosso do Sul).

Contudo para o presidente do sindicato, Carlos Bonatto, apenas a redução do ICMS de 17% para 12% seria capaz de conter o fechamento dos postos de combustível, que não conseguem competir com o preço praticado em outros estados, como São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Goiás. O decreto publicado hoje no Diário Oficial do Estado veta regime especial de recolhimento de ICMS em operações cujas mercadorias sejam transportadas por meio de veículo com tanque de combustível suplementar, já que os motoristas armazenam combustível e evitam abastecer nos postos do Estado.

Durante entrevista coletiva nesta tarde, o presidente do Sinpetro afirmou que o decreto do governo do Estado sinaliza um possível entendimento sobre a necessidade de redução da alíquota. Bonatto explicou que técnicos do sindicato e de uma empresa contratada pela entidade, estão conversando com técnicos do governo para mostrar o resultado de estudos que apontam para um aumento na arrecadação de impostos sobre a venda de combustíveis se a pauta for reduzida para 12%.

“Os estudos que encomendamos demonstram que Mato Grosso do Sul passaria a vender um volume maior de óleo diesel e, conseqüentemente, a arrecadação de ICMS aumentaria. Ou seja, de forma alguma o Estado perderia com a redução da alíquota", pondera. Conforme o Sinpetro, Mato Grosso do Sul já perdeu 60 postos de combustíveis que dependiam mais da venda de óleo diesel. Hoje existem ainda 105 postos que dependem mais desse combustível e estão atravessando uma fase difícil, com risco de fecharem.

O litro de óleo diesel em Mato Grosso do Sul é R$ 0,12 mais caro em função da diferença da alíquota de ICMS em relação aos Estados onde esse tributo é de apenas 12%. A capacidade média dos tanques dos caminhões, saídos das fábricas, gira em torno de 800 litros. A maioria, no entanto, aumenta essa capacidade para 1.500 a 3.000 litros. O que permite entrar e sair do Estado sem abastecer.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)