Cassilândia, Domingo, 25 de Junho de 2017

Últimas Notícias

07/04/2011 17:50

Porta-voz dos muçulmanos no Brasil repudia associação do atirador à religião

Renata Giraldi, Agência Brasil

Brasília – O porta-voz da comunidade muçulmana e presidente da Comissão de Ética da União Nacional das Entidades Islâmicas do Brasil, Jihad Hassan Hammad, rechaçou hoje (7), em entrevista à Agência Brasil, a possibilidadade de associar o atirador que atacou inocentes em uma escola pública no Rio à religião. Ele disse ter sido feito um rastreamento e que não há nada sobre a relação de Wellington Menezes de Oliveira com o islamismo.

O xeique apelou para que se evite “generalizar” e “que as pessoas discriminem umas às outras\" por causa da religião. No Brasil, segundo Jihad, há cerca de 1,5 milhão de muçulmanos. Ele lembrou que o fato de uma pessoa ler o Alcorão, o livro sagrado do islamismo, não significa que ela seja religiosa.

“O Alcorão diz que aqueles que tiram a vida de um inocente é como se tivessem assassinado toda a humanidade”, afirmou o porta-voz. “Este jovem que cometeu o ato no Rio de Janeiro não era muçulmano, mas mesmo se fosse, não representa os ensinamentos da religião. Tenho certeza que ele não é muçulmano porque não está cadastrado em entidades nem em nossas mesquitas”.

O xeique afirmou que o massacre ocorrido no Rio registra um dos momentos mais tristes para a sociedade brasileira. “O islamismo não aceita extremismos. Os extremistas têm sua própria religião. No islamismo buscamos o equilíbrio e a Justiça. Lamentamos muito o que ocorreu hoje pela manhã e estamos solidários às vítimas e às famílias”.

Jihad afirmou que os muçulmamos estão em oração. Segundo ele, na religião islâmica quando uma criança morre a “alma dela vai para o paraíso”, como no caso de algumas das 12 vítimas do massacre na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo, no Rio. “Nas nossas orações, pedimos paciência e serenidade para as famílias [das vítimas]”, disse ele.

O xeique disse que seguirá de São Paulo, onde vive, para o Rio de Janeiro para participar do velório e enterro dos mortos na tragédia. Segundo ele, como líder religioso, uma das suas funções é se solidarizar com as vítimas e suas famílias. “É importante trabalharmos para que a discriminação não leve à instabilidade social”.




Edição: Rivadavia Severo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 25 de Junho de 2017
Sábado, 24 de Junho de 2017
23:07
Loteria
Sexta, 23 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)