Cassilândia, Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Últimas Notícias

03/04/2008 18:52

População de Campo Grande avalia seu estado de saúde

Agência Saúde

No Brasil, o consumo regular de frutas e hortaliças é baixo. Apenas 17,7% da população ingere diariamente as cinco porções destes alimentos, cinco ou mais dias por semana, recomendadas pela Organização Mundial de Saúde – OMS como receita para a boa saúde. Carnes com excesso de gorduras são consumidas com freqüência por 32,8% da população e 29% dos adultos não praticam qualquer atividade física. E, ainda, um total de 43,4% da população adulta está com excesso de peso (índice de massa corporal igual ou maior a 25). Os dados são revelados pelo Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico – Vigitel, parceria do Ministério da Saúde com o Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo. O estudo traça um perfil dos hábitos relacionados à saúde dos brasileiros adultos com 18 anos ou mais.



Em Campo Grande, a situação não é muito diferente da média nacional. Apenas 13,8% da população consome a quantidade recomendada de frutas, legumes e verduras, 45,6% se alimentam de carnes com excesso de gordura e 26,1% é sedentária. O estudo aponta que 45,3% da população entrevistada está acima do peso e 15% obesa. E mais que 50% consomem leite integral e 16,4% dos moradores de Campo Grande são fumantes.



No quesito prevenção, os dados já são bem melhores: em Campo Grande, 71,4% das mulheres realizaram mamografia nos últimos dois anos e o percentual de mulheres que fizeram o exame papanicolau (preventivo do câncer de colo de útero) ao menos uma vez nos últimos três anos foi de 79,7% Por outro lado, 51% da população referiu não utilizar proteção solar contra a radiação ultravioleta.



O estudo é feito anualmente desde 2006, nas capitais dos 26 estados do país e Distrito Federal. “Estamos construindo parâmetros para o monitoramento dos fatores de risco de doenças crônicas não transmissíveis. A idéia é que os dados coletados orientem as políticas públicas de promoção à saúde e prevenção de doenças não transmissíveis”, explica a coordenadora do Vigitel, Deborah Carvalho Malta.



Foram feitas em aproximadamente 54 mil entrevistas telefônicas, com um mínimo de 2 mil indivíduos adultos (18 ou mais anos de idade) em cada capital, além do Distrito Federal. A amostragem foi realizada a partir de cadastros das linhas residenciais fixas de cada cidade e sorteio de um morador por linha para ser entrevistado. Para a análise dos dados foram utilizados fatores de ponderação que igualam a composição sócio-demográfica da amostra em cada cidade àquela observada no Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2000. Com isto, todas as faixas etárias, de sexo e escolaridade estão representadas, conforme a distribuição populacional do Brasil.



As entrevistas foram feitas entre julho e dezembro de 2007 por uma equipe de 60 entrevistadores, quatro supervisores e um coordenador. No questionário, perguntas sobre tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas, obesidade, ingestão de frutas, verduras e hortaliças, atividade física, proteção contra raios ultravioletas, auto-avaliação do estado de saúde, diagnóstico auto declarado de hipertensão e diabetes e para as mulheres, exame de mamografia e preventivo de câncer de colo de útero (papanicolau).


Excesso de peso e fumo

No Brasil, o excesso de peso é verificado em 43% da população entrevistada. “A situação é preocupante, o excesso de peso é um fator de risco para doenças do coração, diabetes e outras”, observa a coordenadora. Em geral, a ocorrência do excesso de peso é mais freqüente em homens do que em mulheres. Campo Grande tem 45,3% de pessoas acima do peso. Se considerados apenas o público masculino, este índice sobre para 51,2% e se considerado apenas o feminino, cai para 39,1%. Já em relação à obesidade (IMC> ou igual a 30), o Brasil tem 13% de obesos. Em Campo Grande os obesos somam 15% da população.

Com relação ao tabagismo, 16,4% por cento dos homens e mulheres com 18 anos ou mais são fumantes no país, sendo 20,9% homens e 12,6% mulheres. Em Campo Grande, há 16,4% de fumantes, dos quais 22% homens e 11,3% mulheres.



Consumo recomendado de frutas, legumes e verduras - FLV

A OMS recomenda o consumo diário de 400g de frutas, legumes e hortaliças, o que corresponde a cinco ou mais porções. Na maioria das cidades brasileiras, observou-se um consumo abaixo dessa quantidade. No país, a freqüência foi de 17%. Em Campo Grande, a média foi de 13,8%, sendo que 15,9% das mulheres consomem o recomendado e apenas 11,5% dos homens o fazem. “Precisamos traçar estratégias para aumentar o consumo de frutas e verduras”, alerta a coordenadora da pesquisa.



Consumo de carnes com excesso de gordura

O consumo geral de carne gordurosa no Brasil foi de 32,8% dos entrevistados. Em Campo Grande, o consumo desse alimento está acima da média nacional, e é de 45,6%. Um total de 57% dos homens entrevistados e 35,3% das mulheres informaram o consumo de carnes vermelha ou frango com pele sem remover a gordura visível do alimento.



Consumo de refrigerantes

A freqüência de adultos que consomem refrigerantes cinco ou mais dias da semana foi de 26,7% no país. Os homens bebem com mais regularidade (31,7%) que as mulheres (22,4%). Em Campo Grande, a ingestão da bebida é da ordem de 27,8% da amostra (se considerados apenas homens 32,2% e se apenas mulheres, 23,9% da amostra). Foi observado também que, quanto maior a escolaridade, menor o consumo de refrigerantes.



Atividade física e sedentarismo

São poucos os adultos que praticam atividade física suficiente no lazer (30 minutos diários com intensidade leve ou moderada, cinco vezes por semana), no país inteiro, a prática regular foi de 15,5%. Em Campo Grande, apenas 16,7% da população faz exercícios no lazer (se considerado apenas o sexo masculino são 19,9% dos homens e se considerado apenas o sexo feminino, apenas 13,7% das mulheres).



No Brasil, 29,2% dos entrevistados são sedentários. Campo Grande tem uma taxa que abrange 26,1% dos moradores (entre os homens 27,9% são inativos e entre as mulheres 24,5%).



Consumo de bebidas alcoólicas

O consumo abusivo de bebidas alcoólicas (considerando cinco doses para homens e quatro para mulheres em uma mesma ocasião, nos 30 dias anteriores ao da entrevista) variou entre 13,4%, em São Paulo; e 23%, em São Luís (ingestão com mais regularidade). A freqüência nacional foi de 17,5%. Campo Grande apresentou 18,9% da amostra que ingeriu essa quantidade. Nessa capital, se considerados apenas os homens, 29,5% dos entrevistados, e se consideradas apenas elas, 9,3%. Na maioria das cidades, a ingestão abusiva foi três vezes maior entre os homens (27,2%) do que entre as mulheres (9,3%).



Dirigir após consumo de bebidas

Outro dado importante revelado pelo Vigitel foi o consumo abusivo de bebidas seguido de direção. Pelo menos 2% da população total entrevistada no país admitiu dirigir depois de beber. Em Campo Grande, o uso indevido de bebidas seguido do ato de guiar um carro atinge 2,9% dos entrevistados, sendo 5,4% dos homens e 0,6% das mulheres. Em geral, ao comparar eles com elas, a situação é mais freqüente entre homens (4%) do que entre mulheres (0,3%) em todo o país.



Auto-avaliação do estado de saúde

A auto-avaliação do estado de saúde é mais um indicador relevante. Cerca de 5% dos brasileiros avaliaram seu estado de saúde como ruim. Em Campo Grande, uma parcela de 5,2% dos entrevistados encontra-se nesse estado. Entre homens, o percentual foi de 2,4% e entre as mulheres de 7,8%. De uma maneira geral, as mulheres tendem a achar seu estado de saúde pior que os homens.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 27 de Junho de 2017
Segunda, 26 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)