Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

08/05/2008 13:44

Polícias são treinados para combater pirataria em MS

Aline Queiroz - Campo Grande News

CDs e DVDs já não são os únicos alvos de falsificadores. Brinquedos, roupas, tênis e artigos de higiene integram o rol de produtos pirateados e colocam em cheque a qualidade das mercadorias que o consumidor leva para a casa.

Como uma maneira de evitar que os produtos entrem no mercado, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) faz ações constantes e, desta vez, apresenta mais uma ferramenta: a capacitação de 80 policiais na identificação dos “piratas”.

Barrar a ação de fraudadores e contrabandistas não é tarefa simples, uma vez que em muitos casos a réplica é muito semelhante ao item original. Às vezes, os produtos contém inclusive imitações de selos do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia).

Para identificar os artigos falsificados, o consumidor pode confrontar o item suspeito com o original, o que nem sempre é possível.

Representante das empresas Mattel, Colgate e Philips, Márcio Costa de Menezes e Gonçalves veio a Campo Grande mostrar as diferenças entre os produtos originais e os piratas. Segundo Gonçalves, estudo do Ministério da Justiça aponta que no Brasil a pirataria impede a arrecadação de R$ 30 bilhões aos cofres da União e deixa de gerar 2 milhões de empregos formais.

Outra grande preocupação é com a população, uma vez que, as pessoas ficam sem mecanismos de defesa. Antigamente, produtos pirateados eram comprados por valores bem abaixo dos originais e a situação hoje é diferente pois os preços são semelhantes aos verdadeiros.

A mudança deve-se à organização dos falsários, que têm conseguido fazer artigos tão próximos dos originais e confundido os consumidores. A PRF já encaminhou à perícia talco e shampoo infantil, escova de dente, perfume, além de brinquedos, roupas, tênis e peças automotivas.

Aliados à ação dos falsificadores, os contrabandistas também mudaram o foco de atuação e passaram a praticar ações “formiguinha”. Assim como os traficantes, os responsáveis pelas mercadorias contrabandeadas contratam “mulas” para o transporte dos produtos ilegais, que são levados em ônibus de turismo, diferentemente da época em que “sacoleiros” atravessavam a fronteira para comprar itens pirateados.

Ações conjuntas entre a PRF e a Receita Federal coíbem os criminosos, no entanto, não é possível fiscalizar todos os veículos diariamente, segundo o responsável pelo setor de comunicação social da PRF, Ademilson de Souza. Desta maneira, ele justifica a importância do curso, que dará mais elementos para o policial identificar materiais ilegais.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)