Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

Últimas Notícias

08/04/2014 13:08

Polícia suspeita que arma usada para matar empresário também foi enterrada

Campo Grande News

No oitavo dia de investigações sobre o sumiço e assassinato do empresário Erlon Peterson Pereira Bernal, 32 anos, a Polícia Civil suspeita que os envolvidos no latrocínio (roubo seguido de morte) tenham enterrado a arma.

A perícia confirmou que foi usado um revólver calibre 38 para executar a vítima, que foi morta com um tiro na nuca, mas a arma não foi localizada. Erlon sofreu emboscada em primeiro de abril, quando foi mostrar um veículo Golf para um possível comprador. O carro foi anunciado na internet.

Para a delegada Maria de Lourdes Cano, titular da Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos), os suspeitos podem ter enterrado o revólver, mesma estratégia utilizada para ocultar o corpo do empresário, que foi colocado em uma fossa séptica, no bairro São Jorge da Lagoa. “Queriam dificultar as investigações”, afirma a delegada.

Pelo crime, foram presos cinco adultos e uma adolescente de 17 anos. Dos maiores de idade, restam quatro atrás das grades. O namorado da adolescente foi liberado porque não foi comprovada participação no latrocínio. A delegada arbitrou a fiança em quatro salários mínimos: R$ 2.896. O valor já foi pago.

O funileiro, responsável pela pintura que trocou a cor do Golf de prata para branco, segue preso por receptação. Conforme a delegada, conhecidos e o irmão do funileiro relataram que ele é uma pessoa humilde e que não via o noticiário. “Mas é obrigação do funileiro verificar o documento do Detran para trocar a cor de um carro. E o carro estava na garagem da funilaria”, salienta Maria de Lourdes. Os nomes dos presos não foram divulgados.

A procura e as investigações sobre o paradeiro do empresário começaram ainda no dia primeiro de abril, mas, conforme a delegada, somente na tarde de sábado, a polícia começou a elucidar o caso. Na ocasião, foi feita a primeira prisão.

O fato coincide com o aumento de movimento de veículos na delegacia. O entra e sai foi acompanhado pela reportagem do Campo Grande News. A segunda prisão foi na madrugada do último domingo. No fim da tarde, o corpo foi localizado.

O crime chocou a cidade. Primeiro, foram correntes de oração pela vida do empresário. Depois, a consternação pela crueldade dos autores do latrocínio.

A Polícia investiga a participação deles em outro crime similar, ocorrido há 60 dias. A investigação aponta que o veículo poderia ser utilizado para prática de novos assaltos em Campo Grande ou trocado por drogas na fronteira. A delegada deve fazer coletiva sobre o caso amanhã.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Terça, 22 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)