Cassilândia, Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

Últimas Notícias

21/03/2006 07:07

Polícia Federal encontra plantação de maconha em aldeia

Juliana Andrade - ABr

A Polícia Federal (PF) aguarda autorização da Fundação Nacional do Índio (Funai) para destruir plantações de maconha em áreas indígenas situadas na região central do estado do Maranhão. A ação da PF está sendo planejada com base em relatório do Grupo Tático Aéreo (GTA), que é ligado à Secretaria de Segurança Pública do estado. Segundo o relatório, existem 11 roças de maconha em terras pertencentes a índios guajajaras.

Como se trata de áreas indígenas, a PF necessita de autorização da Funai para iniciar a ação. "Vamos entrar em contato com a Funai esta semana para fazer a operação em breve", disse Rodrigo de Sá de Oliveira, chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Superintendência Regional da Polícia Federal no Maranhão.

De acordo com o coordenador do GTA, Laércio Gomes Costa, a estimativa é de que haja cerca de 200 mil pés de maconha nas áreas identificadas no relatório. Segundo ele, estão envolvidos na produção índios e não índios. "Os brancos entram na aldeia e se sentem impunes por estar dentro de uma área indígena", observou.

O coordenador explicou que as roças de maconha foram identificadas na semana passada, durante uma ação em apoio à Polícia Militar do estado. O objetivo era destruir plantações no município de Arame, que fica próximo às aldeias. Mas, segundo Costa, ao sobrevoar a região, os policiais descobriram que a planta também estava sendo cultivada em áreas indígenas.

"Fotografei essas áreas, fiz um relatório indicando as coordenadas geográficas para que a Polícia Federal possa tomar as providências e, principalmente, pedir autorização à Funai para entrar na área, com o apoio do GTA, para erradicar essas plantações", afirmou.

De acordo com Costa, essa não é a primeira vez que a polícia identifica roças de maconha nessas áreas indígenas. Em 2004, foram destruídos 700 mil pés de maconha, com autorização da Funai. "No ano passado, fizemos uma operação na região, mas a quantidade de maconha foi bem pequena em relação a 2004. E este ano voltou a ter uma grande incidência de plantações na região", contou.

Laércio Costa disse não acreditar na possibilidade de a folha de maconha ser usada pelos índios em rituais ou para finalidades terapêuticas. "Essa hipótese eu descarto totalmente porque a comunidade indígena lá é muito pequena para a quantidade de maconha que se produz".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 26 de Abril de 2017
Terça, 25 de Abril de 2017
Segunda, 24 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)