Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

30/08/2016 11:31

Polícia divulga B.O sobre morte da Dona Carmita e aponta um suspeito

Redação
Dona Carmita morreu no dia 29 (Foto: Facebook)Dona Carmita morreu no dia 29 (Foto: Facebook)

C. C. de S., 29 anos, é suspeito de praticar o crime de feminicídio (violência doméstica), que levou a óbito Carmita Gonçalves Garcia, 64 anos, na noite do dia 26, em Cassilândia (MS). 

Segundo boletim de ocorrência, a vítima deu entrada no Pronto Socorro de Cassilândia com várias lesões na cabeça. As lesões foram causadas por algum objeto corto contundente. No hospital, estava a filha da vítima, que informou que o local estava preservado. Chegando à casa, estava uma sobrinha da vítima e o ex-namorado da filha da vítima, ora suspeito dos fatos. 

O suspeito começou a relatar à Polícia a sua versão. Disse que foi até a casa ao lado da residência da vítima, que seria uma costureira, e solicitou um orçamento para consertar umas roupas. E ao sair, teria perguntado sobre a vítima. A costureira disse que não tinha a visto. 

Ele disse ainda que bateu palma e gritou pela vítima e ela não atendeu. Então, ele entrou na casa e foi até a porta da cozinha, quando encontrou a vítima cheia de sangue, caída ao chão. 

O suspeito relata ainda que saiu correndo e gritou pela vizinhança, que logo a costureira foi até o local com a sua filha e constatou o fato ocorrido. Após ouvir o relato, a Polícia solicitou para que o suspeito fosse até a Delegacia para prestar esclarecimentos sobre o fato ocorrido.

Na delegacia, o suspeito foi questionado por qual motivo ele teria ido até a residência da vítima naquele momento. Ele respondeu: "Muita coincidência". E disse que iria somente agradecer a um fogão que teria ganhado.

O suspeito e a filha da vítima teriam namorado por cerca de 3 anos, e há mais ou menos uns 20 dias, a filha da vítima teria rompido esse relacionamento.

Ao ser questionado de como seria sua convivência com a vítima, ele disse que era normal, que nunca discutiram, que tinham uma boa convivência, e que o relacionamento havia terminado por motivo de ciúmes.

Em seguida, a Polícia Civil começou a realizar novas diligências para entender todo esse contexto apresentado pelo suspeito.

No hopital, a filha vítima relatou à Polícia que havia terminado o relacionamento com o suspeito, pois ela estava no meio de um fogo cruzado, pois sua mãe não gostava que ela namorasse o suspeito e este não gostava de sua mãe. Por isso, a filha da vítima procurou o suspeito e disse que não queria continuar com o relacionamento, pois não estava fazendo bem a ela, e entre ele e sua mãe (a vítima) ela ficaria com sua mãe.

Desde o término do relacionamento, o suspeito não deixava ela em paz, ligando e enviando mensagens. Ele, por sinal, segundo boletim de ocorrência, havia dado o prazo até 3 de setembro para a filha da vítima decidir se voltaria a namorar com ele ou não. Ela respondeu que não precisava de prazo, pois não iria voltar. A filha da vítima disse ainda que além de existir esse fogo cruzado que ela vivia, o suspeito era uma pessoa muito mentirosa e dissimulada.

Após isso, a equipe Policial começou a observar que o suspeito estava se contradizendo com as suas versões apresentadas.

Uma testemunha verificou uma pessoa com as características do suspeito próxima à residência da vítima após o almoço. Outras testemunhas afirmam que a convivência entre o suspeito e a vítima era muito ruim, e que ambos não gostavam um do outro. Segundo testemunhas, a vítima não queria de forma alguma o relacionamento do suspeito com sua filha.

Existem relatos de que dias antes da morte, o suspeito disse que iria dar um soco na cara da vítima pois ela falava demais.

Outra testemunha relatou que o suspeito foi até o trabalho da filha da vítima e a presenteou com um buquê de rosas e chocolates e indagou se ela tinha certeza que iria preferir ficar com a mãe dela. E ela respondeu que não retomaria o relacionamento com ele.

Continuando a ouvir o suspeito, a equipe Policial observou novamente que ele estaria distorcendo os fatos a todo momento. Como o local estava preservado, o Delegado solicitou a presença da Perícia Criminal.

A Equipe Policial, ao observar toda a cena do crime, constatou que o possível objeto utilizado para causar as lesões na cabeça da vítima seria uma tábua de madeira de carne. A tábua apresentava vestígios de sangue e aparentemente teria sido lavada.

Ao retornar para a Delegacia, o Delegado continuou o interrogatório e questionou sobre onde estava a tábua de madeira no momento que o suspeito chegou e deparou com a vítima no chão.

O suspeito se contradisse, segundo o boletim. Primeiro, disse: "quando eu cheguei, a tábua de madeira estava no chão por cima de uma forma, aí eu acabei colocando ela na messa, por isso vai ter minha digital". Logo depois, apresentou outra versão: "quando eu cheguei, a tábua estava em cima da mesa, perto de uma forma, aí fui ajudar a colocar a Dona Carmita na maca, minhas costas iriam bater na tábua que estava em cima da mesa, aí acabei colocando ela no meio da mesa, por isso vai ter minha digital". 

O suspeito apagou todas as mensagens de seu celular. Disse que teria ligado para a vítima, na data do fato, no período da manhã por engano.

O suspeito nega que tenha cometido o crime. Mas, em razão das várias contradições, o Delegado deu voz de prisão a ele.

No dia 29, às 16h35, Dona Carmita não resistiu aos ferimentos e faleceu em Campo Grande, onde estava internada.

As informações são da Polícia Civil de Cassilândia. 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)