Cassilândia, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Últimas Notícias

27/01/2011 05:05

Poeira e sujeira ameaçam saúde da população de Nova Friburgo

Ivan Richard, Agência Brasil

Nova Friburgo (RJ) – Nova Friburgo ainda terá um ano de doenças em decorrência dos temporais e deslizamentos de terra ocorridos no último dia 12 na região serrana do Rio de Janeiro, previu ontem (26) a secretária municipal de Saúde, Jamila Calil. A perspectiva é que a situação se agrave devido ao aumento dos problemas provocadas pela grande quantidade de sujeira e poeira que tomam conta do município. “É provável que tenhamos mais casos de doenças respiratórias e de pessoas com ferimentos infeccionados”, acrescentou Antonio Fabiano Chicres da Costa, diretor do único hospital público da cidade, o Raul Sertã..



Friburgo foi o município mais castigado pelas chuvas na serra fluminense. O Hospital Raul Sertã, por exemplo, foi alagado e grande parte de sua infraestrutura está fechada. Segundo Chicres da Costa, o pronto-socorro, o refeitório, o laboratório, o raio X, o almoxarifado, o hemocentro e o ambulatório cirúrgico do edifício foram inundados. “Ainda precisaremos de três a seis meses [para recuperar o prédio].”



Mesmo assim, o hospital está trabalhando de forma parcial. “Conseguimos manter o hospital em funcionamento, apesar da enchente, mas precisaremos de 30 a 60 dias para voltar a atender a população, principalmente aqueles pacientes com problemas crônicos, que estão sendo transferidos para a cidade do Rio de Janeiro”, disse a secretária Jamila.



De acordo com Chicres da Costa, o hospital está precisando de especialistas nas áreas de clínica geral, pediatria e enfermagem. “Alguns dos nossos funcionários tiveram suas casas danificadas e não estão podendo vir. Outros decidiram suspender o vínculo com o hospital”, lamentou o diretor. Ele afirmou que já manteve contato com o Ministério da Saúde, que prometeu enviar profissionais para o município.



Antes da enxurrada, a cidade contava com três hospitais: um público e dois privados. Desses, um está fechado. O posto de saúde do município teve sua estrutura condenada pela Defesa Civil.



A secretária Jamila disse que não é possível definir no momento o montante que precisará ser gasto para recuperar a estrutura da área de saúde do município, já que o levantamento sobre os prejuízos ainda não foi concluído. Até agora, informou ela, o setor de saúde do município recebeu cerca de R$ 9 milhões em caráter emergencial dos governo estadual e federal.



Edição: João Carlos Rodrigues

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)