Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

27/11/2004 08:58

Pode aumentar punição para agressores

Agência Brasil

Na tentativa de diminuir as elevadas estatísticas de violência contra a mulher no Brasil, o governo federal encaminhou nesta semana ao Congresso Nacional projeto de lei que aumenta a punição para os agressores e, ao mesmo tempo, estabelece medidas de assistência às mulheres em situação de violência. Atualmente, as penas aplicadas aos agressores variam entre serviços comunitários e pagamento de multas. Segundo a deputada Iriny Lopes (PT-ES), da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, a legislação brasileira é insuficiente para combater a violência doméstica no país. A deputada acredita, no entanto, que a criação de novas leis não é a solução ideal para enfrentar o problema. "O fundamental não é criar novas leis, mas tornar públicas as já vigentes, e ainda aprimorar a fiscalização", afirmou a parlamentar, durante debate realizado hoje pela TV Câmara. Para o deputado Helenildo Ribeiro (PSDB-AL), que também participou do debate, a certeza de impunidade por parte dos agressores agrava os números registrados hoje no país. De acordo com relatório elaborado pelo governo federal em 2003, a cada 15 segundos, uma mulher sofre algum tipo de agressão no Brasil. O relatório também mostra que 33% das brasileiras já sofreram alguma forma de violência, e metade das agredidas não pede ajuda às autoridades. Helenildo Ribeiro afirmou que os casos de violência doméstica estão diretamente relacionados à situação financeira da mulher – em geral inferior à dos parceiros. "Quando alcança um patamar de independência financeira, ela se encoraja para deixar a casa e ficar longe do agressor", disse. Doutor em Psicologia Social e coordenador da organização não-governamental Instituto Papai, Benedito Medrado também acredita que a restrição financeira é apenas um dos fatores que obrigam as mulheres a aceitar a violência dos parceiros. "A má distribuição de renda é um aspecto da violência, mas a mulher ainda cultiva o chamado amor romântico, em que o casamento é para sempre. A situação é muito complexa", afirmou Medrado. A ONG desenvolve ações educativas e políticas junto a homens jovens em situação de pobreza, além de pesquisas sobre masculinidade, a partir da perspectiva feminista. Segundo relatório divulgado em setembro deste ano pelo Programa de Assentamentos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU-Habitat), a legislação brasileira considera a agressão doméstica um crime de menor importância - comparável às brigas de rua. O documento também indica que os agressores brasileiros são soltos com bastante freqüência e, por isso, acabam voltanto para casa e cometendo novas agressões. Na opinião da secretária-adjunta da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Maria Laura Sales Pinheiro, a sociedade brasileira precisa acabar com o preconceito que aponta as próprias mulheres como responsáveis pela violência no lar. "O governo tem o dever de criar mecanismos de proteção às vítimas de violência doméstica. Não podemos tratar a violência como uma área de segurança pública. É um assunto de saúde pública", disse ela. A secretária-adjunta aproveitou o debate para anunciar que o governo federal está se mobilizando para garantir a instalação de novas delegacias especializadas que atendam as mulheres vítimas de violência doméstica em todas as capitais brasileiras. A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres pretende ampliar em 30% os serviços de atenção à saúde da mulher em situação de violência. Nesta semana, 50 delegacias especializadas no atendimento à mulher foram reequipadas. Até 2006, mais 100 receberão incentivos do governo para melhorar o atendimento às mulheres. No total, a Secretaria Nacional de Segurança Pública vai investir até 2006 cerca de R$ 2,5 milhões por ano no reaparelhamento das delegacias.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)