Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

15/04/2011 16:47

Plantonistas do hospital do Rio não esquecem o massacre

Agência Brasil/ Cristiane Ribeiro

Pouco mais de uma semana depois do massacre na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, a equipe do plantão da emergência nas quintas-feiras ainda não conseguiu esquecer as cenas da chegada das crianças baleadas ao Hospital Albert Schweitzer. O plantão de ontem (14), quando se completou uma semana da tragédia, foi muito movimentado, mas considerado normal pelos médicos, enfermeiros, auxiliares, maqueiros, recepcionistas e vigilantes da unidade.

No entanto, a equipe ainda não consegue conter a emoção ao lembrar do desgaste físico e mental que sofreu para atender as vítimas do atirador Wellington Menezes de Oliveira. As 24 crianças atingidas foram levadas para o Albert Schweitzer. Destas, nove já chegaram mortas.

Um maqueiro, que trabalha no hospital há quase dez anos e não quis se identificar, disse que, ao ver as crianças baleadas, teve vontade de gritar e perguntar a Deus o porquê de tanta crueldade. “Eu chorei muito e pedi a Deus que desse conforto às famílias daqueles meninos e meninas, e que Deus iluminasse os médicos para que eles salvassem os que estavam vivos”.

Na unidade, a única criança que permanece internada é o menino que aparece em vídeo caído no corredor da escola, agonizando de dor. Ele foi baleado no abdômen e, apesar de estar no Centro de Tratamento Intensivo, já respira sem aparelhos. Segundo o cirurgião vascular Márcio Feres, que chefiava o plantão da emergência naquele dia, o estado de saúde dele é grave, mas estável.

O médico disse que o menino levou um tiro na mão e um no rosto, com a bala saindo pela região temporal, além de ter sofrido fratura na clavícula por ferimento a bala. Outras crianças baleadas foram chegando, sem que a equipe entendesse o que estava acontecendo. “Não dava para imaginar o tamanho da coisa, porque as crianças estavam desacordadas. Somente a sexta ou sétima criança, a Renata, atingida na região lombar, é que estava consciente e me contou que elas estavam na escola e que um homem apareceu atirando.”

A notícia se espalhou rapidamente pelos oito andares do hospital e médicos e enfermeiros de todos os setores desceram para a emergência para ajudar no socorro aos feridos. Profissionais que estavam saindo do plantão também resolveram ficar no hospital.

“Usamos todas as salas de cirurgia, mas,como 90% dos ferimentos foram no crânio, e graves, os casos que precisavam de neurocirurgias foram transferidos para hospitais com essa especialidade, como o Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, e o Hospital Geral da Polícia Militar. Mas, uma das crianças que foi para o hospital de Saracuruna já saiu do Albert com morte encefálica e chegou lá sem vida”, lembrou Márcio Feres.

Para ele, o momento mais difícil foi o da constatação da morte de nove crianças. “A emergência estava cheia com os feridos e, quando olhei no corredor, onde fica a minha sala, começaram a entrar macas com crianças. Foi a cena mais chocante que vi nos meus 32 anos de formado. Mas foi assim. A emoção foi muito grande. E aí eu comecei a examinar as crianças: a primeira morta, a segunda, morta, a terceira, morta. No final, tinha nove crianças mortas.\"

A auxiliar de enfermagem Sônia Mendes, que trabalha na sala de traumas da emergência do hospital, diz que ainda está com o pescoço doendo por causa da tensão naquele dia. “Aqui estamos acostumados a fazer os curativos mais complicados que se possa imaginar, mas o volume de ferimentos a bala que vimos num mesmo momento foi chocante\", lembrou Sônia, chorando.

Edição: Nádia Franco

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)