Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

30/05/2006 18:36

PGR contesta lei do Mato Grosso do Sul

STF

O ministro Carlos Ayres Britto é o relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3735 ajuizada pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra lei do Estado do Mato Grosso do Sul que institui no âmbito da administração pública, a Certidão de Violação aos Direitos do Consumidor (CVDC). O documento é um requisito para que pessoas físicas e jurídicas possam contratar com a Administração Pública e com as suas autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista, nas negociações diretas ou por meio de qualquer uma das modalidades de licitações públicas.

A PGR alega que a Lei nº 3.041, de 7 de julho de 2005, do Estado do Mato Grosso do Sul usurpa competência privativa da União para legislar sobre licitação e contratação, conforme o inciso XXVII, do artigo 22 da Constituição Federal.

Sustenta ainda que a lei questionada padece de vício de inconstitucionalidade, na medida em que institui, no âmbito da administração pública do Estado do Mato Grosso do Sul, a exigência de uma certidão para negociações diretas ou participação em procedimentos licitatórios.

“Observa-se que o que a lei federal exige é a documentação pertinente à habilitação jurídica, qualificação técnica, qualificação econômico-financeira e regularidade fiscal, de modo que a lei estadual, nesse ponto, não tem margem de discricionariedade para ir além, em face da exaustão contida na norma federal”, afirma a Procuradoria .

Assim, a Procuradoria pede a suspensão liminar da Lei 3.041, do Estado do Mato Grosso do Sul e, no mérito, requer a declaração de inconstitucionalidade da norma.

Consta na ação, que as Leis 1.179/91, 1.399/93, 1.537/94 e 2.453/02, todas do Estado do Mato Grosso do Sul, foram revogadas pela Lei 3.041, de 7 de julho de 2005. Por essa razão, a PGR também pede a suspensão das quatro leis estaduais, “com o intuito de se evitar o efeito repristinatório [restauração de um dispositivo legal anteriormente revogado] de uma eventual declaração de inconstitucionalidade da Lei 3.041/2005, que as revoga expressamente”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)