Cassilândia, Domingo, 31 de Maio de 2020

Últimas Notícias

24/04/2019 09:20

PF pede prorrogação de inquérito que apura atentado contra Bolsonaro

Correio do Estado

 

A Polícia Federal pediU a prorrogação, por 90 dias, do inquérito relacionado ao atentado contra o presidente Jair Bolsonaro durante as eleições de 2018, segundo informou o Jornal Nacional, nesta terça-feira (23). O agressor, Adélio Bispo de Oliveira, está preso em Campo Grande.

Em setembro do ano passado, o presidente Bolsonaro levou uma facada, durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

Adélio Bispo de Oliveira foi preso em flagrante após o incidente. Ele é formado em pedagogia e tem passagem na polícia em 2013 por lesão corporal.

A investigação, sob o comando do delegado Rodrigo Morais, da Superintendência da PF em Minas Gerais, deve terminar, contudo, até o fim deste novo prazo, de acordo com a previsão atual. Os investigadores do caso, portanto, não devem pedir novas prorrogações após o fim do período de três meses.

Segundo o blog do Matheus Leitou, esses 90 dias servirão para concluir as investigações sobre as pessoas que tiveram relação com o Adélio nos últimos anos - no trabalho, locais de moradias, além daqueles que fizeram contatos com ele, identificados por meio das quebras de e-mails, telefones e redes sociais.

Até o momento, a Polícia Federal mantém a conclusão do primeiro inquérito, que investigou o atentado contra o presidente – de que o agressor Adélio Bispo agiu sozinho.

Os investigadores do caso continuam a vasculhar, entretanto, os últimos cinco anos de vida de Adélio.

Uma das informações que corroboram os problemas psicológicos apontados em laudos médicos sobre Adélio é o fato dele ter trabalhado em mais de 30 empregos fixos, com carteira assinada, no período de cinco anos.

Após as contratações, muitos empregadores perceberam, e relataram à PF no inquérito, que com 10 e 15 dias de trabalho o agressor de Bolsonaro mostrava distúrbios, como isolamento dos outros colegas empregados, além de manter conversas sozinho.

Uma das teses que também está descartada no momento pelo inquérito é a participação de uma organização criminosa no atentado.

Os policiais aguardam ainda recursos impetrados na Justiça contra a decisão que mandou suspender as apurações que tentavam identificar quem pagou o advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, que defendeu Adélio Bispo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 31 de Maio de 2020
Sábado, 30 de Maio de 2020
Sexta, 29 de Maio de 2020
18:05
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)