Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

06/01/2009 06:08

Peventivo melhora a vida de pacientes com hemofilia

Sandra Amaral, TV Brasil

Brasília - O hemofílico que aplica a medicação antes de ter uma hemorragia tem uma vida praticamente normal. Ele fica protegido por 24 horas e caso sofra uma lesão o sangue coagula rapidamente. É o caso do professor de educação física Thiago Félix, de 21 anos. Ele faz o tratamento preventivo, e hoje luta kung fu. "Posso fazer quase tudo, é só aplicar o medicamento antes de me submeter a uma situação de risco", afirmou.


No Brasil, pessoas hemofílicas como Thiago são raridade. Apenas, o Distrito Federal oferece essa forma de tratamento. No restante do país, a terapia é de emergência, ou seja, o paciente só usa a medicação quando já está sangrando.O portador da doença não tem no corpo uma proteína que estanca a hemorragia. A hemofilia atinge praticamente os homens que herdam a doença dos pais. Os constantes sangramentos provocam artroses que podem levar a amputação de braços e pernas.


O analista de informática, Bruno Gonçalves, de 22 anos, faz o tratamento de emergência, tem cinco artroses e está perdendo o movimento do braço esquerdo. Segundo ele, os problemas físicos são constantes. "Convivo com dores o tempo inteiro. Para dirigir, só uso carro automático e com direção hidráulica", disse.

Segundo a médica hematologista da rede pública de saúde do Distrito Federal, Jussara Almeida, se o Brasil utilizasse a prevenção o país economizaria, em relação ao tratamento de emergência, porque evitaria gastos com internações, próteses e aposentadorias. "Hoje um paciente de emergência custa ao governo R$ 230 mils por ano, quem faz a prevenção não gasta mais que R$ 80 mil", informou.

Jussara Alameida disse ainda que existe um medicamento alternativo que substitui o plasma no tratamento do hemofílico. "Há um outro medicamento feito em laboratório que copia a estrutura do sangue e a reproduz sem precisar do plasma e por isso é sempre comercializado. É mais caro. Mas a médio prazo sai mais barato para o governo e o paciente tem mais qualidade de vida", disse.

O Ministério Público entrou com uma ação no Tribunal de Contas da União, TCU, para que o Ministério da Saúde utilize o medicamento produzido em laboratório e troque o tratamento de emergência pela prevenção.




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)