Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/05/2006 19:40

Petrobrás decide não investir mais no gás boliviano

Nielmar de Oliveira/ABr

A Petrobras decidiu que não fará mais investimentos no projeto de expansão da produção de gás da Bolívia, informou o diretor da Área Internacional da estatal, Nestor Cerveró. A produção, de 40 milhões de metros cúbicos por dia, aumentaria em 15 milhões de metros cúbicos por dia.

Segundo Cerveró, o decreto de nacionalização de reservas e ativos da área de petróleo, assinado no início do mês pelo presidente boliviano Evo Morales, inviabiliza novos investimentos: "Se alguém tiver a pretensão de fazer novos investimentos, não será a Petrobras e nem seus sócios no país. Passar a taxação dos 50% que eram cobrados em royalties para 82% inviabiliza os investimentos não só na Bolívia, como em qualquer lugar do mundo".

As comissões mistas criadas para as negociações entre a Petrobras e o governo boliviano, adiantou, discutirão basicamente três pontos principais: a nacionalização das reservas e de ativos, o preço do gás exportado para o Brasil e o aumento da taxa cobrada a título de royalties. "Já me informaram que no caso dos royalties essa taxação não é definitiva. E eu não sei como vai terminar. Vamos reavaliar a nossa posição, se for este o caso. Agora, a única possibilidade de retomarmos esses investimentos é com a realização de mudanças substanciais no que foi aprovado dentro do decreto do presidente Morales", afirmou o diretor.

A Petrobras, garantiu, não trabalha com a possibilidade de mudar a sua estratégia de atuação no continente: "Objetivamente, apenas os investimentos que estavam previstos para atender ao aumento da demanda de gás – os 15 milhões de metros cúbicos que pretendíamos trazer – não serão feitos".

Cerveró lembrou que a produção máxima da Bolívia hoje é de 40 milhões de metros cúbicos e que desse total, "nós vamos estacionar nos 30 milhões de metros cúbicos que importamos e já constam do contrato assinado". Ele acrescentou: "Qualquer acréscimo a esse volume implica produção nova, investimentos novos, dutos novos – e isso nós cancelamos".

O diretor admitiu também que não existe, atualmente, uma solução no curto prazo para aumentar a oferta de gás, caso os problemas com a Bolívia venham a ser agravados. "Mas no médio prazo podemos trabalhar para aumentar a oferta interna do produto em mais de 30 milhões de metros cúbicos e importar GNL (gás natural líquido)", disse.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)