Cassilândia, Sábado, 29 de Abril de 2017

Últimas Notícias

05/07/2004 19:25

Pesquisa mostra valorização da mulher no mercado

Juliana Cézar Nunes / ABr

Uma pesquisa realizada por duas universidades de Brasília mostra a valorização cada vez maior das mulheres no mercado de trabalho. Entre os fatores que contribuíram para reduzir a discriminação está a exigência de concurso para a entrada no serviço público, prevista pela Constituição promulgada em 1988, e o aumento da competitividade entre as empresas, conseqüência da abertura do mercado após a implantação do plano Real em 1994.

Com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estudo revela que os homens eram maioria na folha de pagamento do governo, entre 1981 e 1988. Na faixa etária de 33 a 43 anos, eles representavam 60,5% do total de funcionários. Entre 1988 e 1999, esse índice caiu para 50%, devido à aprovação maior de mulheres em concursos públicos.

“O critério subjetivo de contratação foi removido e o computador passou a contratar. Como as mulheres estudam mais no Brasil, elas passaram a ter sucesso nos concursos públicos. E, agora, não apenas em cargo de secretária”, revela o economista Jorge Saba Arbache, pesquisador da Universidade de Brasília.

Segundo ele, a diferença de salários de homens e mulheres também tem diminuído, principalmente entre os trabalhadores mais jovens. “Essa diferença está cada vez mais ligada às qualidades individuais de currículo do que à questão de gênero”, afirma

Uma prova disso está em um levantamento do próprio IBGE, com dados comparativos de 1992 e 2002. Em 1992, o salário médio das mulheres correspondia a 60% da remuneração dos homens. Já em 2002, correspondia a 70%.

Para o economista Jorge Arbache, após a abertura do mercado na era Real, as empresas tiveram de aumentar a competitividade. Escolher um homem menos capacitado em vez de uma mulher melhor preparada passou a ser um risco muito alto para os negócios, segundo ele.

“Uma coisa é a empresa se dar ao luxo de fazer discriminação em uma economia fechada, com pouca competição no mercado doméstico”, analisa Arbache. “Outra coisa é a empresa que se vê em uma situação de queda de vendas, competição internacional, continuar se dando ao luxo de discriminar os funcionários”.

O estudo realizado, em parceria, pela Universidade de Brasília (UnB) e pela Universidade Católica de Brasília (UCB) aponta no serviço público, no entanto, uma área em que ainda é preciso avançar. O Sistema Integrado de Administração de Pessoal Civil (Siape), do Ministério do Planejamento, mostra que, em 2001, as mulheres eram minoria nos cargos em comissão melhor remunerados. Cerca de 80% dos DAS 6 e DAS 5 estavam ocupados por homens.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 29 de Abril de 2017
Sexta, 28 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 27 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)