Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/09/2014 09:10

Pesquisa: embaixo de chuva, é melhor correr ou andar?

Uol

Quando começa a chover, quase todo mundo tem a mesma reação: correr. Afinal, quanto mais tempo embaixo d'água, maior a chance de ficar ensopado, certo? Depende. A questão não é tão simples como pode parecer, segundo os estudiosos.

Ao longo de 30 anos, alguns pesquisadores se debruçaram sobre o tema e publicaram artigos que atestam a resposta mais óbvia: quanto mais rápido o indivíduo se mover, menos molhado ele concluirá um percurso fixo com uma chuva vertical constante.

Um dos problemas com esse modelo é que nem toda chuva é vertical, e nem constante. "Em quase todas as situações a gente se molha menos se correr", afirma o físico Marcelo Knobel, da Universidade Estadual Paulista (Unicamp). No caso de chuvas que caem com certo ângulo, porém, o problema se complica, segundo ele.

"Na física, frequentemente trabalhamos com modelos, que muitas vezes envolvem enormes simplificações do fenômeno ou objeto modelado", comenta o físico Paulo Peixoto, da Universidade Federal de Pernambuco, em Caruaru. "É claro que, na elaboração de um modelo, busca-se manter o que há de essencial para o estudo do fenômeno de interesse, mas algumas vezes (e isso não é tão raro) elementos importantes escapam à análise", continua.

Não é trivial
Junto com dois colegas, Peixoto publicou um trabalho na Revista Brasileira de Ensino de Física, no ano passado, mostrando que o dilema sobre correr ou andar na chuva não é algo trivial. Uma das principais críticas do grupo aos cinco artigos encontrados sobre o tema é que eles não consideram o problema da absorção de água. A verdade é que nem toda gota que cai é completamente absorvida por quem está tomando chuva.

Com uma série de contas matemáticas e experimentos em laboratório que não chegaram a ser relatados no artigo, eles concluíram que, no caso de gotas de maior tamanho, uma parte de cada gota respinga ao atingir a pessoa.

"Verificamos também que, com o aumento da velocidade de percurso (considerando sempre uma chuva vertical), há um aumento da fração da massa de cada gota que é absorvida pela região frontal do indivíduo. O efeito disso pode ser o surgimento de uma velocidade ideal com a qual molha-se o mínimo possível", explica Peixoto. Isso quer dizer que movendo-se acima ou abaixo dessa velocidade ideal - que pode corresponder a uma caminhada vigorosa ou a uma corrida lenta - o indivíduo molha-se mais.

Variáveis
Na conclusão do artigo, o trio de pesquisadores menciona vários fatores que podem interferir no resultado do problema, como a presença de vento, as características físicas da pessoa (se ela é gorda ou magra, por exemplo), o tecido da roupa e a sinuosidade do percurso. Para cada uma das variáveis, há uma conta a ser feita.

"Não quisemos cometer o mesmo equívoco presente nos artigos anteriores, propondo uma resposta universal para o problema de andar ou correr na chuva. Muito pelo contrário, buscamos destacar a complexidade do problema - complexidade essa não enxergada pelos nossos predecessores", argumenta o físico.

Ele acredita que só uma pesquisa experimental bem planejada poderia fornecer respostas mais conclusivas, considerando todas as variáveis possíveis. Mas isso demandaria muito tempo e muitos recursos. Não valeria a pena? "Creio que não. Há coisas bem mais importantes para nos dedicarmos", conclui.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)