Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

05/07/2011 10:44

Pesquisa de neurocientista comprova que o amor é cego

O amor tem sido objeto de discussões filosóficas, inspiração para poetas e músicos. Platão, filósofo grego, entende o amor como uma poderosa reação à beleza e ao mérito, ligada à veneração e ao temor. Em música, o amor foi descrito em versos por Vinícius de Moraes e interpretado em música.

\"E cada verso meu será pra ti dizer que eu sei que vou te amar por toda a minha vida...\"

Compreender esse sentimento é um desafio que pode estar longe de uma solução definitiva. Mas o médico e neurocientista, Roberto Lent acredita estar no caminho. Recentemente, ele lançou o livro \"Sobre Neurônios, Cérebros e Pessoas\", onde divulga uma série de estudos e experimentos que tentam explicar como o amor funciona no organismo. Segundo ele, existem três tipos desse sentimento: o reprodutivo, que visa preservar a espécie, o fraternal, que auxilia na organização, e o paternal e maternal, que busca a proteção dos filhos. Para iniciar uma relação amorosa, os indivíduos precisam de alguma maneira se sentirem atraídos. Essa atração vem da liberação de cheiros, ou até de ouvir ou ver a pessoa. E a máxima de que o amor é cego? O neurocientista Roberto Lent explica.


\"Porque quando você faz o experimento de registrar as áreas que ficam ativas numa situação de amor você identifica regiões que são ativadas e outras que ficam desativadas, que são as da razão. São as chamadas regiões do lobo frontal que te fazem pesar as circunstâncias. Então quando se diz que o amor é cego, é que, como você desativa essas áreas do controle racional, você faz umas loucuras.\"

Roberto Lent explica ainda que quando esse amor não é correspondido ou o outro falha de alguma maneira, as áreas da razão voltam a ser ativadas e o individuo consegue definir se ainda quer ou não essa relação.

\"A dopamina é uma substância química que faz a transmissão da informação nos circuitos chamados do sistema de recompensa que são aqueles que nos produzem prazer. Então quando você tem a sensação de prazer, de uma emoção positiva, você libera mais dopamina nessas regiões. O resultado é que você sente sentimentos subjetivos de prazer e muda o seu comportamento.\"

Mesmo com todas as descobertas, o neurocientista afirma que ainda está longe de ser criada a pílula do amor.

Reportagem, Vanessa Silvestre


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)