Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/06/2005 12:37

Pesquisa afirma que existe excesso de cesarianas

Agência Notisa

Apesar das inúmeras campanhas que defendem hoje a escolha pelo parto normal, pode-se perceber no mundo todo, durante as últimas décadas, uma forte incidência de cesarianas, como afirma artigo publicado pela Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia de novembro/dezembro de 2004. No Brasil, no ano de 1997, foi registrado, dentre todos os partos realizados, o recorde de 36,4% de cesáreas – lembrando que o índice tolerado pela Organização Mundial de Saúde, a OMS, é de no máximo 15%. Com o objetivo de entender a escolha e descobrir o que é levado em consideração pelas gestantes na hora de optar por uma via de parto, o pesquisador Ricardo Porto Tedesco e sua equipe realizaram um estudo qualitativo nos pronto-socorros que são atendidos pela Faculdade de Medicina de Jundiaí.

A pesquisa entrevistou 40 mulheres na primeira gestação (primigestas) com idade entre 16 e 30 anos, as quais estavam recebendo assistência pré-natal. O estudo – que contou com um questionário sobre as características demográficas, outro específico com dados da gestação e ainda uma terceira parte na qual eram transcritas falas das participantes – mostrou, entretanto, que 90% das mulheres preferiam o parto normal. “É mais saudável para mim e para o bebê” foi uma das frases que mais se ouviu das pacientes que defendiam essa via de parto.

Olhando para os resultados da pesquisa apenas por esse aspecto, ainda não fica claro o que tem motivado a realização de tantas cesarianas no Brasil e no mundo todo. Segundo os pesquisadores, “essas altas taxas existem por indicações como: preferência da mulher, escolha do profissional e como método de esterilização definitiva”. Eles explicam que o fato de a mulher hoje ter uma vida profissional ativa contribui para a escolha da cesárea, já que é possível determinar o dia e a hora em que o bebê nascerá. Além do mais, a cirurgia já é uma oportunidade para a paciente fazer a laqueadura (ligação das trompas). Outro motivo apresentado e muito preocupante é a questão da escolha ser do profissional e não da mãe. Como afirma o artigo, o que ocorre muitas vezes é que “a gestante não participa dessa discussão (quanto à escolha da via de parto), sendo, quando muito, informada sobre a decisão médica final”. Os autores ainda acrescentam que “em quase 60% dos casos a razão ‘médica’ apresentada não justificava a conduta adotada ou era no mínimo duvidosa”.

Esse assunto é de grande importância quando observamos dados como este: segundo a pesquisa, “28,5% das mortes maternas não ocorreriam se as taxas de cesáreas fossem reduzidas”. Para os autores é possível dividir em quatro grupos as cesarianas realizadas hoje, são eles: plenamente justificadas, de justificação duvidosa, mal justificadas e absolutamente não justificadas. O primeiro é caracterizado por aquelas cirurgias que pretendem preservar a saúde e proteger a vida da mãe e/ou do feto, e corresponde a apenas 13% do total de cesáreas realizadas. Em contrapartida, em 29% dos casos a escolha por essa via foi abertamente não médica, ou seja, por comodidade e conveniência da mãe e/ou do profissional.

Para os pesquisadores, a informação ainda é o melhor caminho para reverter esse quadro, Segundo Ricardo e sua equipe, “esses resultados nos mostram um enorme contraste entre a preferência das mulheres e os altos índices de cesárea no Brasil, a ponto de acreditarmos que a cesárea pode ser considerada uma epidemia desnecessária”. É preciso então, primeiramente, que a maior interessada, a futura mãe, tenha conhecimento suficiente para fazer sua escolha, consciente dos riscos e das vantagens que cada via de parto oferecem. Em segundo lugar, como lembram os pesquisadores, “do ponto de vista ético, cabe ao médico questionar cada indicação para a realização de uma cesárea”.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)