Cassilândia, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

11/10/2016 17:23

Perda auditiva deve ser tratada para não inibir convívio

Por Andréa Abrahão*

É comum associarmos ao envelhecimento a inatividade, problemas de saúde e perda da independência. De fato, à medida que envelhecemos, estamos mais susceptíveis a doenças crônicas comuns da idade - como pressão alta e diabetes -, à perda de mobilidade e de memória. Mas muitas das limitações inerentes ao processo de envelhecimento podem ser amenizadas, como é o caso da perda de audição.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o problema acomete um terço da população acima dos 65 anos e metade dos idosos com mais de 75 anos. No Brasil, de acordo com o IBGE, a população com mais de 60 anos ronda os 25 milhões, o que sugere um potencial enorme para incidência do problema.

Alguns sintomas como zumbidos e sensação de ouvido entupido podem indicar o início de uma perda auditiva. No convívio social, também é possível notar a limitação quando o idoso começa a falar muito alto ou muito baixo, porque não escuta a própria voz, a repetir perguntas por não entender as respostas e a ter dificuldade de se comunicar por telefone.

Quando há perda de audição, também é comum o idoso passar por situações constrangedoras, o que pode inibi-lo, a ponto de ele preferir evitar o convívio social. Ele diminui a frequência da ida à padaria, ao açougue ou ao supermercado, porque para ele o atendente fala muito baixo; fica mais introspectivo quando reunido em eventos sociais, porque as pessoas perdem a paciência com ele.

Ainda em 2014, nos Estados Unidos, um estudo do Instittuto Nacional de Surdez e Outras Desordens da Comunicação (U.S. National Institute on Deafness and Other Communication Disorders, no original) constatou que conforme a audição ia diminuindo aumentava o percentual de adultos com depressão, de 5 % para 11 % se considerados aqueles que tinham perda auditiva. Outra correlação preocupante foi identificada pela Universidade Johns Hopkins, que avaliou 2.017 pessoas de 40 a 69 anos e concluiu que a perda auditiva aumenta o risco de acidentes, como tropeços e quedas. Segundo a universidade americana, pessoas com perda de 25 dB (considerada leve) tinham triplicadas as chances de quedas.

Os idosos podem ter a audição prejudicada por fatores diversos, como a degeneração das células do ouvido ou por confusão mental, caso em que o idoso escuta, mas não entende. Um simples exame de audiometria pode indicar a perda de audição e, a partir dele, ser definido o tratamento. A partir dos 60 anos, esse é um exame de deve ser incluído no check-up anual.

A reabilitação, na maioria das vezes, comtempla o uso do aparelho auditivo. Atualmente, esses aparelhos são bastante confortáveis, mais acessíveis do que no passado, em termos de preço, e muito discretos. Há modelos de aparelhos auditivos altamente tecnológicos, com múltiplas funções e tamanhos bastante reduzidos. Alguns deles são capazes de amenizar 90 % das perdas auditivas, inclusive as mais severas. O mercado também já disponibiliza opções com tecnologia wireless, que captam inclusive o som de celulares.

Há casos de perda de audição, no entanto, em que há necessidade de implante coclear - também chamado de ouvido biônico - ou implantes de ouvido médio, que captam o som convertendo-o em vibrações mecânicas. Apenas o especialista pode indicar o tratamento mais apropriado, mas qualquer que seja a reabilitação o apoio da família irá colaborar enormemente para que o idoso se sinta mais confortável e motivado a encarar a perda auditiva e procurar ajuda médica.

Protelar o problema só agrava a exposição do idoso a doenças secundárias, privando-o de manter uma convivência plena e positiva com os amigos e familiares.

Andréa Abrahão, fonoaudióloga, é diretora da rede de reabilitação auditiva Direito de Ouvir.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 19 de Janeiro de 2017
Quarta, 18 de Janeiro de 2017
21:49
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Terça, 17 de Janeiro de 2017
23:53
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)