Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

25/03/2015 07:18

Pelarin afirma: Uma "Rio Preto" infestada de drogas

Evandro Pelarin, no Facebook
O juiz Evandro Pelarin escreveu em seu Facebook sobre as drogas em São José do Rio Preto.O juiz Evandro Pelarin escreveu em seu Facebook sobre as drogas em São José do Rio Preto.

Amigos. Ontem, o Tenente PM Danilo e sua equipe, das forças especiais da CAEP (algo como o BOPE da PM de SP), que nos levava à escola do Bairro Nova Esperança, no trajeto, passou em algumas "bocadas" e biqueiras. Uns três quarteirões antes de uma tal de "mureta", no bairro Sto Antonio, ele disse: "Dr. Vamos acelerar a viatura agora, virar à esquerda ali e vamos pegar um moleque no tráfico". Pensei, será que é tão na cara assim? Não deu outra. Pá! Um menino de 15 anos com diversos pinos de cocaína perambulando pela rua à espera dos consumidores.


Passamos em lugares cujo tráfico é a céu aberto. Ruas onde há especialidades: uma rua é de maconha, outra de cocaína e outra de crack. Parece inacreditável. Mas é a realidade. Uma Rio Preto gigantesca, em extensão territorial, em número de habitantes, em casebres e miséria, muito diferente da Andaló e adjacências, dos Damhas e da zona sul. Parece morro do Rio de Janeiro.


Pior: o tráfico se estruturou da seguinte forma, em quase todas as "firmas" da zona norte: o traficante, dono do dinheiro, nunca aparece. Nunca está ali nos bairros. Ele contrata o que eles chamam de "testa de ferro". Esse contrata os menores em grupo de 4, 5 ou mais moleques, que fazem a "correria", ficando nas esquinas, aguardando os consumidores (que pra mim são os maiores responsáveis por essa tragédia, pois compram drogas de menores para seus vícios e não estão nem aí, financiando essa desgraça toda). Os menores de 18 anos foram definitivamente instrumentalizados pelo tráfico na zona norte de Rio Preto.


Eu gravei o menino apreendido. O moleque, no vídeo, relatou exatamente como escrevi acima a estrutra da "firma". Falou que cada moleque desse ganha mais de 100 reais por dia. O do vídeo, apreendido, confessou que ganha 150. Nenhum deles estuda. Vivem o dia inteiro por conta do tráfico. Aliás, como disse o Tenente, já se cristalizou uma "cultura" onde a droga é o centro das atividades cotidianas dessa molecada, que ganha muito e sente cedo uma espécie de "poder" e a adrenalina da transgressão.


Eu não tenho a "solução" para essa tragédia. Só sei que o narcotráfico está dominando este país, que corre sério risco de virar uma Colômbia ou muito pior que isso.


De nossa parte, quero deixar registrado que as polícias trabalham muito. Prendem muito. Mas o tráfico se regenera rapidamente. Prende um, vem dois. Isso porque a demanda pelo produto é enorme. É a lei da oferta e da procura. Se tem muita gente querendo e pagando, óbvio que vai ter gente faturando na venda e colocando no mercado.


Aliás, a "cultura" das drogas, da liberação, do laxismo e do hedonismo, nos entorpecentes, dominou mentes e corações. Enquanto os bacanas da classe média e classe alta (não só eles) cheiram seu pó em segurança e (alguns) ficam defendendo a liberação, o tráfico vai se alastrando nessa onda de "liberdade" para se drogar e corrompendo menores para vender para esses bacanas.


Meus amigos. Cada um com o seu pensamento. Eu sou contra a legalização das drogas. Sou a favor de prisão de 30 anos para traficante. Sou a favor do retorno do crime para posse de drogas para consumo. Sou a favor da redução da idade penal para 16 anos. Sou a favor do trabalho para maiores de 12 anos (como estava originalmente na nossa Constituição Federal de 1988). Sou favorável à construção de mais presídios de segurança máxima e com trabalhos obrigatórios aos presos, de preferência, na Amazônia. Aliás, ao contrário de hoje, que, se trabalhar, desconta dias da pena, eu defendo que, se não trabalhar, o preso pode levar mais dias de cana. Sou favorável, integralmente, ao movimento da Lei e da Ordem, pela tolerância zero.


É assim que penso.


- Evandro Pelarin -

Parabéns, Dr. Evandro!

Penso exatamente como o senhor. O grande problema do tráfico está nos consumidores, assim como o grande problema dos furtos e roubos está nos receptadores. Se não houver quem compre, não haverá interesse em vender. Está na hora das autoridades tratarem esse assunto com maior seriedade, fazendo leis mais severas, que punam de verdade. Está na hora dos presos deste país pararem de ter tantas regalias e, ao invés de terem direito a auxílio-reclusão, pagarem pelo custo que gera a sua manutenção. Não tenho os números exatos, mas tenho certeza que a maioria dos crimes cometidos neste país está, direta ou indiretamente, ligada ao tráfico de drogas.
 
EVANDRO M ROSSI em 26/03/2015 08:51:09
Concordo em gênero, número e grau, Sr Juiz.
 
Marlene Lisardo em 25/03/2015 15:56:13
Sequencia...
Antes de defender a redução da maior idade teria que haver uma reforma no código civil, "privatização do sistema penitenciário" tornando o um órgão independente e sustentável sendo o preso responsável pelo custo do seu sustento e manutenção do sistema carcerário, sendo assim as penitenciarias si tornaria uma "empresa" q teria condição de gerar lucros e não custos para o governo, "contribuintes q trabalha de sol a sol para manter suas famílias e seus impostos em dias bancando regalias de delinquentes"
Trabalho em unidades prisionais não pode ser julgado como castigo, sendo "gratificados" com redução de pena e sim uma obrigação, todos os anos o governo gasta milhões em carceragens e relativamente nada em escolas.
Ainda espero um dia ver algo que funcione neste pais.
Apoio E.Prn
 
Eldes C. Barbosa em 25/03/2015 08:51:21
Infelizmente as politicas publicas não estão voltadas para combater nenhum tipo de crime, e sim para o relaxamento de penas, somente prender não resolve, uma vez que será beneficiados com vários, "benefícios constituintes e recursos humanos" a policia prende o justiça solta, literalmente a "corrida dos ratos". que muito interessa aos políticos brasileiros, que se elegem e reelegem sobre essa classe de miseráveis, delinquentes, sem a menor perspectiva de vida pessoal ou familiar, hoje e mais fácil ser "malandro" uma vez que as politicas estão voltadas para proliferação da classe.

Continuando....
 
Eldes. C. Barbosa em 25/03/2015 08:37:57
Pensamos exatamente igual,isso aqui vai virar terra de ninguem,quem apertar o gatilho primeiro vive.
 
Luiz Borges em 25/03/2015 07:39:21
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)