Cassilândia, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Últimas Notícias

22/04/2010 08:00

Pastor quer processar Estado e alega que foi humilhado

João Humberto, Campo Grande News

Depois de permanecer preso por mais de um dia, o pastor Elieser de Eliseu Simões, 29 anos, em entrevista ao Campo Grande News, diz ter sido humilhado publicamente e pretende tomar providências como, por exemplo, processar o Estado.

Na madrugada de ontem ele foi preso após três horas e 40 minutos de perseguição, durante a qual os policiais chegaram a disparar dez tiros de advertência. Acabou sendo solto hoje à tarde, às 17h, após um amigo ter pagado a fiança de R$ 400.

A perseguição começou no cruzamento da rua Joaquim Dornelas com a avenida Salgado Filho, no bairro Amambaí, e só terminou no cruzamento da rua Ceará com a Oásis, no bairro Coronel Antonino.

De acordo com Elieser, na tarde de segunda-feira sua sogra foi submetida a exames de saúde na Santa Casa, por conta de uma doença. Na madrugada de terça, após deixar sua esposa no hospital, ele diz que se deslocou até o bairro Amambaí para buscar seu sogro que também acompanharia uma tomografia que seria feita no estabelecimento de saúde.

“Acabei entrando na contramão e uns 20 metros a minha frente avistei um carro com a luz apagada, acabei dando sinal de luz alta e nisso escutei dois disparos contra o meu carro. Nisso eu dei ré saí dali, logo depois percebi que se tratava de um carro da polícia”, explicou.

Alegando que se desesperou, o pastor diz que passou a fugir, com medo de ser ferido. Foi então que ele conseguiu despistar a polícia, mas constatou que um dos pneus de seu veículo Ford Focus, placas HSJ-4532, havia furado.

“Eu procurei uma borracharia e arrumei o pneu e quando retornava para a minha casa, avistei a viatura, de novo. Mais tiros foram disparados contra o meu carro”, disse Elieser, alegando que seu automóvel foi alvo de mais de 50 tiros de metralhadora 44. “Sobrevivi por conta da mão divina”, detalhou.

Depois da prisão, apenas 9 tiros foram verificados na lataria do carro dele.

A versão é bem diferente da apresentada pela Polícia, que garante que Elieser chegou a jogar seu veículo contra um dos veículos oficiais, danificando o pára-choque e também “rampou” o carro quando estava entre a Vila Planalto e Cabreúva, para retomar a Via Morena.

Após a retenção, o pastor diz que foi agredido. “Já chegaram me agredindo, me algemaram e me bateram, fiquei cheio de hematomas. Depois fizeram uma vistoria completa no meu carro e não encontraram nada. Não sei como aquela lata de cerveja foi parar lá dentro, não sei quem colocou”, garante o pastor.

Elieser admite que não deixou que fossem colhidas amostras de sangue para o exame toxicológico, mas negou que tivesse consumido algum entorpecente, embora, segundo os policiais, uma lata com furos e resíduos de uma substância que pode ser pasta-base de cocaína e que será submetida a exames tenha sido encontrada no interior do carro.

“Fui submetido a falsas denúncias, me humilharam publicamente e agora me enquadram em crime praticado contra o patrimônio público? Foi erro atrás de erro e isso mostra a inexperiência por parte das autoridades policiais através do despreparo”, analisa Elieser.

Ainda sobre a lata de cerveja encontrada no carro dele, o pastor adianta que “essa lata não estava dentro do carro e nem consta essa informação no processo, nem mesmo a batida no carro da polícia”. Sobre sua família ter se recusado a pagar a fiança, Elieser foi sucinto e disse que pediu para a família não se envolver no caso.

“Não foi dada voz de prisão, não me deixaram usar telefone. Sofri abusos de direito como cidadão e quero justiça”, comentou o pastor, ainda ressaltando que não nega ter sido usuário de drogas durante sete anos. “Mudei de vida, mas ontem sofri abusos e vou conversar com meu advogado para saber qual decisão tomarei de início”.

Sobre o amigo que pagou a fiança, Elieser apenas esclarece que “é um jornalista amigo meu que tem a alma caridosa e que viu que eu estava sendo vítima dessa situação”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 22 de Maio de 2018
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)