Cassilândia, Domingo, 22 de Outubro de 2017

Últimas Notícias

24/09/2017 10:30

Para salvar rinocerontes, parque atira e mata caçadores autorizados pelo governo

Midiamax

Um parque localizado na Índia, em Assam, chamado Kaziranga National Park, tem chamado a atenção por uma política totalmente radical na conservação da vida dos rinocerontes que vivem ali, cerca de 2,4 mil animais. Segundo informações da rede BBC, os guardas do parque possuem autorização expressa para atirarem e matarem potenciais caçadores que entrarem ali. Até agora, 50 pessoas forem mortas.

Em 2015, mais pessoas foram mortas a tiros pelos guardas do parque do que rinocerontes foram mortos por caçadores. O que os caçadores querem são os chifres dos rinocerontes, que podem ser vendidos por até US$ 6 mil (cerca de R$ 18 mil) cada 100g – consideravelmente mais caro do que o ouro.

Os rinocerontes-indianos têm chifres menores do que os africanos, mas são comercializados como sendo muito mais potentes. Eles são principalmente negociados como uma cura milagrosa para tudo, desde o câncer até a disfunção erétil. Os guardas do parque possuem o tipo de poder normalmente só conferido às forças armadas de um país. Os trabalhadores do parque podem matar uma pessoa sem sofrer nenhum tipo de punição.

De acordo com relatos, nativos inocentes, principalmente tribais, já foram pegos no meio do conflito.

A BBC entrevistou dois guardas do Kaziranga, Avdesh e Jibeshwar, e eles informaram que a instrução é atirar sempre que veem caçadores suspeitos. Avdesh diz que atirou em pessoas duas vezes nos quatro anos em que está no parque, mas nunca matou ninguém. Ele sabe, no entanto, que não é provável que haja qualquer consequência para ele caso de fato mate alguém.

Os esforços de conservação na Índia tendem a se concentrar na proteção de algumas espécies emblemáticas, como rinocerontes e tigres. Acrescente a isso o fato de que Kaziranga é a principal atração turística da região – 170 mil visitantes anuais ou mais passam por ali – e é fácil entender por que o parque sente pressão política para enfrentar o problema da caça furtiva.

Em 2013, quando o número de rinocerontes mortos por caçadores furtivos mais que dobrou – chegou a 27 animais assassinados -, os políticos locais exigiram ação. O então chefe do parque, M. K. Yadava, logo propôs sua rigorosa estratégia de coibir qualquer entrada desautorizada.

Qualquer um encontrado dentro do parque deveria obedecer ou ser morto. Ele justificou suas ações através de sua crença de que os crimes ambientais, incluindo a caça furtiva, são mais graves que o assassinato. Segundo oficial do departamento florestal do parque, não há registros exatos de quantas pessoas já foram mortas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 22 de Outubro de 2017
Sábado, 21 de Outubro de 2017
10:00
Receita do dia
Sexta, 20 de Outubro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)