Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

16/11/2006 06:38

Para juízes, excesso de recursos é o problema

Marcela Rebelo/ABr

O excesso de recursos judiciais é um dos fatores que mais contribuem para a existência de impunidade no país. Essa é a opinião da maioria dos 3 mil juízes que participaram de uma pesquisa da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), coordenada pela cientista política Maria Tereza Sadek, da Universidade de São Paulo (USP).

Segundo o levantamento, 86,1% dos entrevistados consideraram o grande número de recursos como "altamente importante" para a existência da impunidade.

O presidente da AMB, Rodrigo Collaço, defendeu uma mudança nas leis brasileiras para reverter a situação. "Eu espero que essa pesquisa seja um motivador para parlamentares, para a população entender por que o processo [judicial] não termina. A parte que perde tem muitas possibilidades de recursos", disse, em entrevista à Agência Brasil.

"Isso eterniza o processo, gera impunidade e ineficácia nas decisões, gera descrédito."

A demora no encerramento dos processos foi considerada por 83,9% dos magistrados também como "altamente importante", assim como as deficiências do inquérito policial (74,1%) e a falta de vagas no sistema penitenciário (71,9%).

A falta de cooperação entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, o Ministério Público e o Poder Judiciário também é um dos fatores que mais contribuem para a existência da impunidade no país, na opinião de 70% dos entrevistados.

"A Colômbia, por exemplo, tem sido apresentada como um dos países da América do Sul cuja criminalidade tem sido muito reduzida, e o país unificou as polícias. Um dos problemas reais no Brasil é essa diversidade de polícias, que, muitas vezes, escondem investigação uma da outra e não conversam entre si", opinou Collaço. "Da mesma forma ocorre entre o Ministério Público e o Poder Judiciário."

Entre os aspectos considerados pela maioria dos juízes entrevistados como "altamente importante" para a existência da impunidade no Brasil estão ainda a existência de quatro instâncias de julgamento, a insuficiência do sistema de proteção de vítimas e testemunhas e as dificuldades de utilização de meios de prova.

Rodrigo Collaço afirmou que, em geral, no Brasil, a punição recai sobre as pessoas de baixa renda. "A Lei muitas vezes favorece quem tem poder econômico, poder político. É natural que os juízes mostrem que não temos no país uma distribuição justa da punição."

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)