Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/06/2012 08:22

Para economistas, austeridade não é resposta à crise

Paulo Cezar Barreto, Agência Senado

Em reunião da Representação Brasileira no Parlasul, nesta sexta-feira (1º), os professores de economia Décio Garcia Munhoz e João Sicsú discutiram os efeitos da crise mundial sobre a economia sul-americana e brasileira e cobraram medidas mais diretas do governo federal para estímulo da atividade econômica.

Munhoz e Sicsú opinaram que a crise europeia de 2011-2012 encontra o Brasil num cenário diferente do verificado em 2008, o que obriga o governo a rever suas medidas de combate à recessão, mas salientaram que pacotes de austeridade como os adotados na Europa “não levaram a lugar algum” e que os investimentos estatais são essenciais para garantir a recuperação econômica. Além de responderem às perguntas dos senadores Roberto Requião (PMDB-PR), presidente da comissão, e Ana Amélia (PP-RS), os debatedores também receberam perguntas e opiniões dos telespectadores e internautas.

O economista e professor da Universidade de Brasília (UnB) Décio Garcia Munhoz lembrou que a ideia da união latino-americana sofreu por muito tempo com a “ilusão” de seguir o exemplo da Europa, mas o Mercosul segue enfrentando a dificuldade de dar capacidade competitiva aos parceiros menores do grupo.

Décio Garcia Munhoz assinalou que entre 2003 e 2004 a China transformou a economia mundial, elevando sua demanda e trazendo à América do Sul uma espécie de “período áureo” – no entanto, os países da região seguiram imaginando que a boa fase era devida a políticas econômicas internas. Nesse período, o Brasil cresceu menos que os vizinhos, e a demanda da China não é mais a mesma.

- O Brasil chega numa situação de volta aos anos 90: câmbio valorizado e renda das famílias arrochada. Esse é o nosso quadro – afirmou.

Décio Garcia Munhoz defendeu a discussão de instrumentos de sustentação financeira para os países do Mercosul de modo a fortalecer a união dos países, e criticou políticas recessivas contra a crise. Uma grande preocupação do professor está na dificuldade de equilibrar estímulo ao consumo e taxa de inadimplência baixa.

O professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) João Sicsú definiu como preocupante a situação do Brasil diante da nova situação internacional. Conforme lembrou, na crise de 2008-2009 os empresários “puxaram o freio”, mas o governo federal adotou medidas capazes de atenuar a recessão (impulso no PAC, lançamento do Minha Casa Minha Vida). A crise começada em 2011, no entanto, teria encontrado o crescimento do Brasil em baixa – um mau desempenho que o professor atribuiu a motivos internos, não à crise internacional.
Sicsú opinou que a redução dos juros não será suficiente para reerguer a economia brasileira, e a ascensão social das famílias será mais lenta, o que obrigará o governo a ser mais incisivo.

- Essa situação de desânimo vai impor ao governo o desafio de elaboração de políticas que terão efeitos mais diretos. O governo terá que fazer estímulos diretos na economia. Não podemos criticar a política europeia e fazer algo semelhante ao que se faz na Europa.

Entre as medidas propostas por Sicsú, o governo deve reduzir o comprometimento da receita líquida dos estados com pagamento de dívidas à União. Décio Garcia Munhoz concordou, afirmando que é absurdo manter “uma dívida espúria em condições draconianas”. Ele criticou os governantes brasileiros que usam as dívidas como arma para submeter politicamente os entes federativos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)