Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

12/08/2007 11:27

Pais encontram dificuldades para acompanhar parto

Yara Aquino/ABr

Uma lei federal de 2005 garante que a mulher tenha direito a um acompanhante durante o trabalho de pré-parto, parto e pós-parto. Nesse momento tão especial que é a chegada de um filho, nada mais natural do que o pai querer estar presente, já que há esse direito assegurado por lei.

Mas nem sempre a determinação legal é cumprida, como aponta uma pesquisa divulgada esta semana pelo Instituto Papai. O documento mostra que as maternidades de Recife (PE) não estão garantindo a presença do acompanhante, seja devido à falta de estrutura material e física das unidades, do despreparo do acompanhante e da resistência da equipe médica.

E esse não é um problema exclusivo de Recife. De acordo com o diretor do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas do Ministério da Saúde, Adson França, é necessário que maternidades de todo o país façam adequações físicas para acomodar os acompanhantes. Agora em 2007 o Ministério da Saúde libera R$ 30 milhões para esse fim.

“Estamos buscando ajudar por meio de recursos e de apoio técnico os gestores para que adequem as maternidades para acolher o acompanhante”, afirma França.

Estar presente durante as consultas do pré-natal também é um mais que um direito, é um dever dos futuros pais. Porém, o ministério constata que a participação masculina ainda é pequena no Sistema Único de Saúde (SUS). “A presença masculina no pré-natal é maior junto aos planos privados de saúde. No SUS a participação do homem ainda é pequena”, diz Adson França.

Ele aponta que as razões podem ser a dificuldade das pessoas de baixa renda de se ausentarem do trabalho para acompanhar a consulta e também a falta de conhecimento sobre a importância do pré-natal. Segundo o diretor, o SUS vem estimulando as unidades de saúde da família e unidades básicas a incentivarem os pais a participar de palestras para entender o significado do pré-natal.

A humanização do atendimento à mulher é um dos pontos previstos na Política de Planejamento Familiar lançada pelo governo federal em maio deste ano. A política prevê para isso a implantação do programa Maternidade Amiga da Mulher

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)