Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

11/07/2010 13:23

País deve aproveitar Copa do Mundo para incentivar turismo

Agência Brasil/Beatriz Arcoverde

O turismo é um setor vital para os países que sediam uma Copa do Mundo de Futebol. Em 1998, a França recebeu para o Mundial 500 mil turistas, o Japão em 2002, 400 mil, e a Alemanha em 2006, o número recorde de 2 milhões.

De acordo com o consultor da Federação Internacional de Futebol (Fifa) e diretor da Federação Alemã de Futebol Horst Schmidt, em quase todas as localidades houve um crescimento de 5% a 7% no número de turistas um ano depois do Mundial. Ele disse que o evento foi um motivo para que o setor hoteleiro se renovasse. “Construções ou restaurações de hotéis são necessárias em um acontecimento desse porte. Devemos nos certificar se há leitos disponíveis para receber milhares de torcedores de todo o mundo."

O seminarista Bruno Pereira está em Berlim há cinco anos e conta que a recepção positiva dos alemães, historicamente conhecidos pelo preconceito contra estrangeiros, foi importante. “Essa ação da Copa do Mundo dá às pessoas um pouco de calor humano. Visitantes chegaram aqui de todo o mundo num espírito realmente de muita alegria. Eu me lembro dos alemães muito felizes com tudo isso, de receber as pessoas, esse jogos."

Na França, a Copa foi importante para levar turistas a outras regiões. O líder da maioria no Conselho Municipal de Marselha, Ives Morraine, destacou que a Copa foi importante para mudar a imagem da cidade. “Vendo a longo prazo, é certo que a Copa do Mundo de Futebol de 1998 foi uma reviravolta para Marselha. A cidade mudou de ares. Antes de 1998, era conhecida como Marselha, a mal-amada, Marselha e seus problemas de delinquência, Marselha perigosa. A partir de 1998, com as imagens transmitidas para o mundo inteiro, a cidade virou moda”.

Saint Dennis, que fica a dez quilômetros de Paris, era uma região abandonada. Com a construção do Estádio da França e a transformação na infraestrutura local, mais pessoas visitam hoje o local. A secretária-geral para Grandes Eventos Esportivos da França, Therése Salvador, conta que depois da Copa muita coisa mudou.

“As pessoas não vêm apenas de Saint-Dennis. Quando há uma ópera ou um show, o estádio fica cheio de gente vinda de toda a França. Tudo isso obrigou uma melhoria de hotéis, restaurantes, decoração e da manutenção da cidade. As pessoas se tornaram orgulhosas de morar lá. Elas gostaram do fato de a cidade ter ficado mais limpa. Saint-Denis é um lugar visitado, há uma Basílica, onde estão enterrados os reis da França”.

Na África do Sul, as primeiras estimativas eram de 750 mil turistas, número que caiu para 250 mil. De acordo com os organizadores, as previsões foram reduzidas devido à crise econômica que afetou grande parte dos países apaixonados por futebol e ao alto custo de viajar ao Continente Africano. Por outro lado, também há o problema da violência, que pode ter afastado muitos turistas.

O Brasil se prepara para oferecer financiamentos a obras de infraestrutura básica, hoteleira e de lazer. Já estão à disposição US$ 1 bilhão, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e US$ 1 bilhão, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para a construção e reforma de hotéis e pousadas, que quanto mais sustentáveis mais vantagens terão. A Cooperação Andina de Fomento também está financiando o Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur) em todo o país.

O ministro do Turismo, Luiz Barretto, disse que o grande legado para o setor será a ampliação do número de destinos no país, a melhoria da infraestrutura, dos hotéis e da qualificação profissional. “É importante nessa experiência dos jogos mobilizar toda a sociedade para a realização da Copa. Não vai ter jeitinho brasileiro, nós não vamos poder mudar as datas. Isso funciona como um grande planejamento, já que as entregas vão ocorrer perto dessa data”.

Barretto explicou que são trabalhados quatro grandes eixos - no primeiro a infraestrutura, no segundo a qualificação, no terceiro a hotelaria e no quarto a promoção. "O grande legado que a gente pode deixar na promoção é tornar o destino mais conhecido”.

A expectativa no Brasil é de que 600 mil turistas visitem as cidades-sede dos jogos da Coipa de 2014.

Edição: Graça Adjuto

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)