Cassilândia, Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

13/02/2010 13:46

Paciente com paralisia terá tratamento custeado pelo Estado

TJRN

Um cidadão que sofre de uma paralisia conseguiu judicialmente que o estado forneça, de forma gratuita, dos medicamentos e insumos necessários ao seu tratamento. A determinação foi da 1ª Câmara Cível, ao analisar recurso proveniente da 4ª Vara da Fazenda Pública de Natal.

O autor informou nos autos que sofreu um acidente e ficou paraplégico com problemas vertebrais torácicos com alterações na medula óssea, conforme demonstrou em laudo médico. Ainda de segundo do autor, seu quadro clínico é delicado, necessitando fazer diariamente extração de urina (cateterismo a cada seis horas) e carece fazer uso de medicamentos e insumos por tempo indeterminado.

Alegou que por ser pobre, não tem condições de adquirir o material necessário ao tratamento de sua patologia e que a medicação descrita que o autor necessita não está disponível junto ao SUS, como também os insumos.

O estado, por sua vez, alegou necessidade do chamamento ao processo do Município de Natal/RN, bem como da União, razão pela qual seria nula a sentença. Afirma que a Lei nº 11.347/2006 ressalta em seu artigo 1º, § 3º, que é condição essencial para o recebimento dos medicamentos e materiais, a inscrição do usuário no programa de educação especial para diabéticos.

Argumentou ainda que para o tratamento do paciente pela rede pública, seria de sua escolha os medicamentos e compostos utilizados, conforme estabelecido no artigo 244 do Código Civil. Afirmou ainda que nenhuma despesa pública pode ser realizada excedendo créditos orçamentários ou adicionais, conforme o princípio da legalidade orçamentária.

O relator do recurso, desembargador Expedito Ferreira, destacou em seu voto que incumbe ao ente estatal prestar toda a assistência devida ao cidadão que se ache acometido de moléstia grave e não possua condições de tratar-se por seus próprios meios, conforme também prescreve o art. 196 da Constituição.

Para o relator, ainda que o estado afirme que os medicamentos relacionados na petição inicial podem ser substituídos por outros medicamentos igualmente eficazes e distribuídos regularmente pela rede de saúde estadual, com menos ônus para a Administração Pública, a verdade é que tal afirmação, por si só, não pode servir de base para afastar o seu dever de fornecer os medicamentos pretendidos, principalmente ante a indicação específica feita por profissional médico que assistia ao paciente.

Apelação Cível nº 2009.006199-5

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 21 de Novembro de 2017
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Domingo, 19 de Novembro de 2017
11:00
Mundo Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)