Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

19/08/2015 12:30

Os erros mais comuns ao oferecer as papinhas ao bebê

Minha Vida

Um dos principais problemas que temos em alimentação é a introdução de alimentos complementares quando fazemos a passagem do aleitamento materno ou outras formas lácteas, exclusivo, após os seis meses de idade do bebê.

Se o leite materno, sozinho, foi suficiente para manter um excelente crescimento e desenvolvimento, por todo este tempo (um semestre da vida da criança), neste segundo momento, precisaremos de fontes extras de energia, vitaminas e minerais. Surge então a necessidade de introduzir outros alimentos. E as dúvidas aparecem?

Uma delas, que sempre nos perguntam, é se podemos oferecer papas antes dos seis meses de idade. E a resposta é simples: Depende! O pediatra irá avaliar uma série de processos: o crescimento e a velocidade de ganho de peso e estatura, a quantidade de urina, se o bebê está evacuando adequadamente, se o sono é suficiente e o humor.

Portanto, além dos aspectos alimentares, precisamos discutir as condições praticas, como o retorno da mãe ao trabalho, a possibilidade de manter a amamentação exclusiva, o tamanho do bebê. E o pediatra deve orientar a família para a melhor conduta. De qualquer forma, tanto a Academia Americana de Pediatria como a Sociedade Europeia de Gastroenterologia e Nutrição Pediátrica tem como padrão para a introdução de alimentos, o seguinte lema: nunca antes das 16 semanas e nunca mais tarde do que as 24.

Quanto ao tipo de papa, em nosso meio, o habito de introduzir inicialmente sucos de frutas e depois a papa de frutas é uma condição comum. No entanto, a Sociedade Brasileira de Pediatria, por meio de seu departamento de Nutrologia, não recomenda o uso de sucos de frutas e sim a oferta da fruta sob a forma de papas, raspadas, amassadas ou sob outras formas.

A recomendação de iniciar a primeira papa (antes chamada de papa salgada ou de sal), está baseada nos problemas nacionais: anemia, prevenção da obesidade e da desnutrição.

Assim, hoje a proposta é de se oferecer alimentos bases como cereais, arroz, batata, mandioca e massas, complementados com carnes (de vaca, porco, peixe ou frango), com menor teor de gorduras, legumes e verduras. Cada alimento é oferecido cozido, amassado ou passado em peneira grossa; de preferência não batido ou liquefeito, de forma isolada inicialmente e depois acrescentado a mistura.

Alguns pediatras orientam para papas homogêneas e outros para a oferta separada, para que a criança possa sentir texturas, sabores, odores e cores diferentes.

Outra preocupação é a quantidade de alimentos e, neste ponto, devemos tomar cuidados, já que a experiência é essencial e que o bom senso prevaleça.

Os volumes são determinados pela aceitação, não devendo haver exageros na oferta e observando a reação de cada um. O aumento deve ser gradativo e lento, sem pressa. Quanto mais tranquila for a introdução, melhor a aceitação de novos alimentos.

A neofobia ou o medo do novo é uma característica comum de todas as espécies e com a criança ocorre o mesmo. Devemos oferecer inúmeras vezes sem haver preocupação com uma recusa da primeira vez.

Devemos ter um cuidado especial com os instrumentos, ou seja, com a oferta de colheres pequenas, de diferentes materiais e com volumes adequados, temperatura correta e preparo caprichado.

Finalmente, devemos pensar em preparar o alimento com uma apresentação de bom aspecto e tempero compatível com a idade da criança e hábito da família. O básico é pouco sal, criatividade na introdução de temperos diferentes e respeito ao momento da criança em períodos de menor apetite, presença de doenças e ao emocional da família.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)