Cassilândia, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

18/03/2004 16:17

OMS: Dependência química pode ser aprendizado

Irene Lôbo / ABr

A dependência química ocorreria como um processo de aprendizagem, resultado da interação de substâncias psicoativas com o meio ambiente. Esta é a conclusão do primeiro estudo mundial sobre as conseqüências das drogas no cérebro humano, divulgado hoje pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Produzido por especialistas de 11 países, incluindo o Brasil, o estudo relata as últimas descobertas sobre os mecanismos cerebrais que regem à dependência química, analisa as implicações éticas de algumas formas de tratamento e faz recomendações para as políticas e programas governamentais dos países filiados.

De acordo com o estudo, o cérebro é dotado de sistemas que orientam e dirigem o comportamento humano para estímulos vitais de sobrevivência, como os associados à alimentação e a parceiros sexuais. As substâncias psicoativas ativariam artificialmente esses sistemas cerebrais de maneira tão forte, que resultariam em dependência. Além disso, diversos fatores individuais, culturais, biológicos, sociais e ambientais aumentam ou diminuem a probabilidade de uma pessoa consumir drogas.

Os especialistas também analisaram as implicações éticas das novas estratégias preventivas e terapêuticas utilizadas no tratamento de dependentes químicos, como a terapia de substituição. O método consiste em utilizar substâncias que simulam os efeitos das drogas no cérebro.

A implicação ética disso é que algumas drogas de substituição podem causar danos menores ao cérebro. Um exemplo é a metadona, prescrita a curto prazo para desintoxicar os dependentes de opiáceos.

Para a OMS, no entanto, a capacidade que as drogas de substituição têm de normalizar algumas funções cerebrais interrompidas e melhorar as condições sociais e de saúde dos pacientes justifica o seu uso.

O relatório da OMS recomenda aos governos que desenvolvam programas assistenciais na rede básica de saúde e que a visão social sobre as drogas seja influenciada por medidas preventivas e educacionais que combatam o estigma de que são vítimas os usuários.

O coordenador do programa de Saúde Mental do Ministério da Saúde, Pedro Gabriel Delgado, que participou da divulgação do relatório, disse que o principal problema no país não é o consumo individual.

Delgado criticou a legislação brasileira, que penaliza o consumidor ao invés de tratar o problema como uma questão de saúde pública. "É preciso buscar uma construção legislativa que seja capaz de fazer de maneira adequada essa diferenciação, para que as pessoas que têm problemas com o uso sejam atendidas como um problema de saúde pública”, defendeu.

De acordo com o Escritório das Nações Unidas para Drogas e Crime (UNODC), 205 milhões de pessoas em todo o mundo usam algum tipo de droga, ilícita ou não. A mais comum é a maconha, seguida pelas anfetaminas, cocaína e derivados do ópio, como a morfina.

Segundo o Relatório Mundial da Saúde de 2002, referente a 2000, a prevalência do uso de drogas ilícitas é maior entre homens do que entre mulheres. Os dados da pesquisa também revelam que a dependência é maior entre jovens até 25 anos.

No Brasil, o governo trata os dependentes de drogas e portadores de doenças mentais nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). No final de 2003, havia 500 desses centros implantados, dos quais 60 se destinavam especificamente ao tratamento de transtornos causados pelo uso do álcool e outras drogas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)