Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

08/11/2004 13:02

OIT : Três milhões de crianças e adolescentes trabalham

Keite Camacho / ABr

Mais de 200 milhões de crianças e adolescentes trabalham em todo o mundo, quando o "moral e ético seria estarem na escola". No Brasil, o número chega a três milhões. Enquanto elas trabalham, adultos em idade legal estão desempregados. Essas questões se relacionam, segundo Armand Pereira, diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil. Para ele, o trabalho infantil é causa da pobreza e não conseqüência, como se pensava. "É evidente que, quanto mais pobre é um país, mais crianças estarão trabalhando. No entanto, não é a pobreza que origina esse trabalho mas o fato de não se respeitaram padrões éticos e de lei. É uma prioridade de recursos colocar as crianças na escola e não no trabalho", ressaltou Armand.

O diretor da OIT participou da Segunda Mesa Redonda sobre o Alcance da Educação a Todos e a Eliminação do Trabalho Infantil, no Hotel Nacional. O encontro faz parte da 4ª Reunião do Grupo de Alto Nível de Educação para Todos, promovido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), que acontece até esta quarta-feira (10).

Segundo Armand, o governo e a sociedade têm a oportunidade de decidir se querem investir em educação, programas de apoio à renda da família e oportunidade de emprego. Ele acrescentou que, entre 1992 e 2002, o Brasil apresentou uma redução de 40% no número de crianças trabalhando. "O que deu certo no Brasil é que se trabalha cada vez de forma mais integrada, com a melhoria da qualidade do ensino e o aumento do número de escolas, além do apoio à renda da família, que tem impacto no Brasil. O que se conseguiu é um modelo para muitos países", disse.

Falta, para Armand, a consolidação destes esforços no país, com um trabalho conjunto com procuradorias, polícia e justiça do trabalho. Além disso, continuidade dos programas já executados. "Por ser um país grande, os números ainda são aquém do esperado", considerou.

O objetivo do evento é fortalecer o Fórum Nacional de Erradicação e Prevenção do Trabalho Infantil, os fóruns estaduais e detalhar metas específicas com autoridades locais. Participaram dele 30 ministros de Educação de todo o mundo e colaboradores internacionais, além de representantes da sociedade civil.

O ministro da Educação, Tarso Genro, em sua apresentação, disse que o governo brasileiro tem plena consciência da situação e ressaltou ser preciso projeto político dirigido pelo governo, para haver força constitutiva e ser aplicado pelo estado, em relação com a sociedade civil. "Para isso, discutimos hipóteses vinculadas ao nosso crescimento econômico, ao processo de distribuição de renda, ao equilíbrio macro-econômico do país, vinculando estas políticas ao projeto estratégico de governo", disse o ministro.

Ricardo Berzoini, ministro do Trabalho, disse não haver dificuldade em buscar a integração com os demais ministérios, entidades e instituições que tratam do tema, bem como organismos internacionais multilaterais. "É necessário integrar opinião pública e sociedade civil com as responsabilidades típicas de estado, para alcançar patamares de dignidade, por meio da erradicação do trabalho infantil", ressaltou.

Segundo Berzoini, a fiscalização do trabalho encontrou, de janeiro de 2003 a setembro de 2004, mais de 15 mil crianças e adolescentes, com idade inferior a 16 anos, trabalhando. Ele acrescentou que, dando continuidade à implementação do Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e de Proteção ao Trabalhador Adolescente, o ministério do Trabalho e Emprego está reformulando as suas estratégias. "No caso das ações de fiscalização do trabalho, o foco continuará sendo o da regulação e do cumprimento das formas de aprendizagem previstas na lei", disse.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)