Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/05/2008 14:02

OIE questionou dados de vacinação e controle de bovinos

Fernanda Mathias e Aline dos Santos - Campo Grande News

Os questionamentos do comitê técnico da OIE (Organização Internacional de Epizootias) que impediram a retomada do status de área livre de febre aftosa por Mato Grosso do Sul se baseiam principalmente na vacinação e controle dos animais na faixa de fronteira.

A OIE quer saber basicamente se o Estado tem condições de agir rápido, caso ocorram novos focos de febre aftosa. O último registro foi em outubro de 2005. Esta manhã voltou para Campo Grande a comitiva do governo estadual que esteve na Europa, onde um dos compromissos foi participar da reunião anual da OIE, em Paris.

Ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Campo Grande, a secretária de Produção, Tereza Cristina Corrêa da Costa, disse que o governo estadual vai preparar um relatório mais robusto que até o início de julho seguirá ao Ministério da Agricultura para que seja referendado e então submetido à OIE. A previsão mais otimista, afirma, é de retomar o status – que é o passe para países europeus – em julho e a menos otimista é que isso ocorra até o fim deste ano.

Um item questionado foi o índice de vacinação na área de vigilância sanitária com agulha oficial. O relatório submetido à OIE nesta semana continha o índice de vacinação de fevereiro, que foi de 70%. Porém, na campanha deste mês, segundo Tereza o índice chega ao preconizado, de 100% e esta informação será inclusa no novo material.

Outra exigência que os técnicos fizeram é que as propriedades rurais não sejam cadastradas somente nos 15 quilômetros da zona de alta vigilância, mas além deste trecho, na região de fronteira. A OIE também quer mais informações sobre o monitoramento do trânsito de animais e sobre o funcionamento do lacre. Tereza destacou que o novo relatório vai incluir informações sobre investimentos recentes, como contração de mais pessoal e aquisição de 45 veículos para defesa sanitária.

Questionada sobre o fato de o Paraná, que registrou focos de aftosa à mesma época que Mato Grosso do Sul ter recobrado o status de área livre de febre aftosa, Tereza destacou que o Estado vizinho conseguiu debelar os focos antes e que a OIE não leva em consideração a fronteira do Paraná com o Paraguai por conta da barreira natural, que é o rio Itaipu. Para ela, Mato Grosso do Sul demorou muito para eliminar a doença. Somente dois anos após a ocorrência o Estado foi considerado área livre de febre aftosa com vacinação, pelo Ministério da Agricultura.

Culpa do vizinho – O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), atribuiu as dificuldades enfrentadas pelo Estado para se reabilitar como área livre de febre aftosa às fronteiras com a Bolívia e o Paraguai. Ele disse que o monitoramento na faixa de fronteira será reforçado, inclusive nos rios, com a presença da PMA (Polícia Militar Ambiental).

Alinhado com o que disse esta semana o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Laucídio Coelho Neto, Puccinelli culpou “um ou dois técnicos” do Ministério da Agricultura que, segundo ele, “querem ensinar a Deus como fazer sanidade animal”. E emendou: “Eles não se cansam de achar problemas em Mato Grosso do Sul”.

O governador comentou que a Europa não é o único mercado potencial para o Estado. Citou como exemplo Indonésia, que deve fazer uma primeira compra de 100 mil toneladas de Mato Grosso do Sul, depois de procurar por boi gordo no Acre e ao Pará. “Mas quem tem boi gordo somos nós então eles vão ter que chorar aqui”, disse.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)