Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

26/01/2006 14:12

OAB deverá contestar fim de verticalização partidária

Campo Grande News/ Gislene de Almeida


O presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Roberto Busato, defendeu hoje a inconstitucionalidade da validade para este ano do fim da verticalização das coligações partidárias - aprovada em primeiro turno na noite dessa quarta-feira pela Câmara dos Deputados - e anunciou que a OAB examinará na próxima semana, quando o Conselho Federal estará reunido, o ingresso de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a matéria. O encaminhamento da ação será examinado pela Comissão de Defesa da República e da Democracia da entidade, que é presidida pelo jurista Fábio Konder Comparato.

A Comissão OAB irá definir, principalmente, se a aplicação do fim da verticalização já nas eleições de outubro próximo viola o artigo 16 da Constituição Federal. Esse dispositivo, que passou a valer após a aprovação da Emenda Constitucional nº 4, de 1993, estabelece que alterações nas regras eleitorais só podem ser efetivadas até o prazo máximo de um ano antes do pleito.

"Depois de muitos anos de luta, a Constituição estabeleceu que não é possível mudar as regras do jogo eleitoral a menos de um ano da realização de eleições. Essa regra foi aprovada exatamente para evitar esses arranjos, essas negociatas de última hora, que não interessam ao povo, só aos políticos", afirmou Busato. O Conselho Federal da OAB estará reunido de 5 a 7 de fevereiro, em Brasília.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 548/02, que põe fim à obrigatoriedade da verticalização das coligações partidárias - regra pela qual as coligações nas eleições estaduais não podem contrariar as alianças feitas na eleição presidencial - foi aprovada no Plenário da Câmara por 343 votos a favor, 143 contra e uma abstenção. A matéria precisa ser votada em segundo turno pela Câmara sem alterações no conteúdo, para que possa ser promulgada pelo Congresso.

Somente a Ordem dos Advogados do Brasil, o Ministério Público e as demais entidades mencionadas na Constituição têm legitimidade para contestar, por meio de Adin, a validade da PEC aprovada na noite desta quarta-feira para as eleições de 2006.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)