Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

28/04/2014 16:05

O uso da Justiça: uma reflexão para o Dia do Trabalhador

Bruna Girotto (*)

O Direito do Trabalho estrutura, em seu interior, uma teia de proteção àquele que considera hipossuficiente numa relação empregatícia. E é, por esse motivo que, pelo Princípio da Proteção, a legislação trabalhista, num contrato de trabalho, oferece uma guarida maior de direitos protetivos ao empregado, em detrimento daquele que o emprega, o patrão. Isto significa que, ao se interpretar uma norma, por exemplo, o magistrado deve optar pela mais favorável ao trabalhador.

Após anos a fio de uma vida letárgica e de aplicabilidade pífia durante o regime militar, com a promulgação do Texto Maior de 1988, os Direitos Sociais foram enriquecidos para a proteção dos trabalhadores, sendo ressuscitados e alçados à condição de direito fundamental de todo cidadão brasileiro. E, em razão disso, esta mesma norma maior recebeu o epíteto de Constituição Cidadã.

Sendo assim, para manter o devido respeito e a preservação dos direitos, arduamente conquistados neste novel período político brasileiro, inumeráveis relações trabalhistas acabam não se encerrando com a dispensa ou demissão do funcionário, transformando-se, lamentavelmente, em ações trabalhistas nas quais ex-empregados e ex-patrões se tornam reclamantes e reclamados.

Essa busca infindável para salvaguardar os Direitos Sociais – alicerces estes do Estado Democrático de Direito - corroborado ainda, pela gama protetiva e preferencial em favor do empregado, acaba, por muitas vezes, estigmatizando ao patrão, uma imagem violadora e ilegal na relação de trabalho. Tal imagem o retrata como se ele sempre fosse o maldoso e oportunista no trabalho desenvolvido pelo seu funcionário. Contudo, tal percepção jamais se refletirá a realidade dos fatos deduzidos em juízo.

Apesar do número de empregadores, que teimam em desrespeitar os direitos básicos e cruciais de todo trabalhador, ser elevado, existe, ainda, um imensurável número de funcionários que, conscientes de seus privilégios jurídicos, age de maneira suspeita e oportunista, assumindo empregos no intuito de permanecer por um curto período e criar situações para dar ensejo a uma demanda trabalhista.

Um exemplo disso é quando um funcionário é liberado do turno, em seu horário correto, mas, acaba permanecendo no ambiente de trabalho e posteriormente ingressa com ação pleiteando horas extras contra o empregador. Há, ainda, empregado que, sem qualquer permissão da empresa, até mesmo com proibição expressa para tanto, expõe-se a riscos não inerentes a sua atividade, vindo a se acidentar e, via de regra, culpar a empresa sobre a eventualidade, para fins de direitos trabalhistas. Tais exemplos preenchem algumas das casualidades que se verificam em ações judiciais por todo o país.

São em situações semelhantes a estas que aumentam por demais a responsabilidade do advogado consultado, a fim de orientar seus clientes a não se aventurarem em ações infundadas e que não prestigiem a boa-fé processual, baseadas tão-somente no oportunismo e na intenção de prejudicar e macular a imagem do empregador.

Por óbvio, com o término da relação trabalhista, principalmente quando é oriunda de uma dispensa do patrão, é normal o empregado se sentir lesado e ter dúvidas quanto ao fiel cumprimento de todos os seus direitos resultantes do fim da relação. A este, deve ser viabilizado todo acesso às informações legais que rodeiam sua dispensa. O que deve ser evitado, por óbvio, são atitudes insidiosas e oportunistas que se prestam para se perseguir o dinheiro e manchar a imagem do empregador honesto e idôneo nas relações trabalhistas com seus funcionários.

Não há uma melhor data – 1º de maio – para lembrar e reafirmar o dever de empregadores no respeito a todas as garantias e direitos conquistados após anos de muita luta pelos trabalhadores brasileiros. Esta data é importante, também, para aconselhar os empregados a não buscarem a justiça com o intuito de pleitear objetivos imorais.
Os Direitos Sociais são uma das pedras de toque do Estado Brasileiro, porém, devem ser buscados sempre nos estritos limites da boa-fé, pois, só assim atingiremos a ordem e o progresso estampado na bandeira nacional.

(*) Sócia do escritório FGBR Advogados - bruna@fgbradvogados.com.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)