Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

03/08/2007 08:12

O recado do Cheida: Um pacto com a natureza

Luis Eduardo Cheida*

No ano da graça de 1587, aldeões franceses de Saint-Julie instauraram um processo junto ao juiz episcopal, contra uma colônia de carunchos. Os insetos haviam invadido seus vinhedos e causavam consideráveis estragos.

A petição foi endereçada:


- “Reverendíssimo senhor vigário geral e oficial do bispado, suplicamos que sejam graciosamente prescritas as medidas convenientes para apaziguar a cólera divina e proceder, de acordo com a boa usança, por via de excomunhão ou toda e qualquer outra censura apropriada, à expulsão definitiva destas pragas”.



Quarenta anos antes, os mesmos carunchos, ou melhor, seus ancestrais, tinham sido vítimas de idêntico processo. O caso era crônico. Naquela oportunidade, valha a verdade, o caso saldara-se com a vitória dos insetos, sob a seguinte argumentação:


- “Estes animais, criados por Deus, possuem o mesmo direito que os homens de alimentarem-se”. E, emendando a sentença, agora para cima dos reclamantes: - “Por isso, evocando a misericórdia divina, limito-me a prescrever numerosas preces públicas, intimando-os a arrepender-se sinceramente de seus pecados. De passagem, convido-os a pagarem seus dízimos, sem tardança, bem como a efetuarem três procissões ao redor dos vinhedos invadidos”.

Assim, depois deste 1 X 0 na invasão, agora os vinhateiros esperavam a cumplicidade do juiz. No mínimo, sensibilidade diante do recorrente flagelo.

Mas, o contrário aconteceu. O oficial ofereceu aos insetos um procurador, assistido por um novo advogado, e encarregou o vigário local de, preliminarmente, aplicar a mesma sentença de quarenta anos antes. O que foi feito com grande cerimon ial. Depois, o advogado dos insetos explorou tanto e tão bem os vícios de forma e conteúdo da acusação que esta, pressentindo o pior, tratou de convocar a assembléia geral dos habitantes. Estes, sem cerimônia, decidiram arrendar aos animais “lugar suficiente, fora dos vinhedos, no qual possam viver e comer”.



Após madura reflexão, ofereceram aos carunchos um lugar chamado La Grand-Feisse, de 45 sesteiros (200 alqueires) provido de faias, carvalhos, cerejeiras, plátanos, arbustos, ervas e pastos em abundância, convencendo a parte contrária de sua boa-vontade e da qualidade e valor real das terras:


- “É lavrado o presente contrato de cessão das supracitadas terras, nas condições acima estipuladas, tal como será requerido e assinado em boa forma, para ser válido ad perpetuam...”



Quequié isso? Acaso animais são pessoas jurídicas?



Este caso é a primeira evidência de um contrato entre diferentes seres da natureza. Porém, seu valor está em testemunhar o quanto achamos absurdo pactuar com a natureza. Parece insensato tratar os animais como pessoas jurídicas. É que, no senso comum, semelhante só pactua com semelhante. Mais uma prova de que não nos consideramos semelhantes à natureza.



Para a espécie humana, nunca o acordo. O litígio sempre é a escolha quando se tratra de definir o modelo de como lidar com o mundo natural.



Mas, parece que isso não vem dando certo...



Talvez, então, devamos tentar outro modelo. Um modelo que pactue uma aproximação porque se reconhece a autoridade de ambas as partes. Porque se reconhece o valor que os dois lados têm. Um pacto entre iguais.



Se semelhantes pactuam com semelhantes, apenas nos reconhecendo enquanto mundo natural, pactuaremos com ele.


É uma premissa. Sem ela, é caruncho no seu pé de uva. Na certa.

Um forte abraço e até sexta que vem.




--------------------------------------------------------------------------------

*uiz Eduardo Cheida é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia da Assembléia Legislativa do Paraná. Foi prefeito de Londrina, Secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)